16 pessoas são condenadas à morte por assassinato de garota de 18 anos em Bangladesh

Por JUSTIN MORGAN
24 de Octubre de 2019 9:10 PM Actualizado: 29 de Octubre de 2019 7:24 AM

Um tribunal de Bangladesh condenou 16 pessoas à morte na quinta-feira  – incluindo o diretor de uma escola islâmica – pelo assassinato de uma menina de 18 anos que foi incendiada depois de se recusar a retirar acusações de assédio sexual contra o diretor da escola.

A juíza do Tribunal de Prevenção à Repressão de Mulheres e Crianças, Mamunur Rashid, considerou a diretora Siraj Ud Doula e outras 15 pessoas culpadas por matar Nusrat Jahan Rafi ou por ordenar sua morte em abril.

Entre os 15 outros condenados estavam dois políticos da Liga Awami, dois professores e 11 estudantes – dois dos quais eram mulheres, informou a CBS News.

Leia também:

A brutalidade da morte levou a protestos em todo o país. Dezenas de milhares de pessoas assistiram às orações fúnebres de Rafi em sua cidade natal, e o primeiro -ministro Sheikh Hasina prometeu justiça rápida para sua família.

Todos os réus compareceram ao tribunal usando algemas durante a leitura do veredicto.

O diretor, que foi visto sorrindo quando entrou no tribunal, começou a chorar depois que o veredicto foi lido. Os réus começaram a gritar na van da polícia quando foram levados.

O advogado de defesa, Giasuddin Nannu, disse que todos os 16 réus planejavam recorrer do veredicto.

De acordo com a Fox News, Rafi foi atraída para o telhado de sua escola por quatro estudantes do sexo feminino, onde foi solicitado que ela retirasse a queixa que havia apresentado contra o diretor.

Depois de recusar, ela teria sido amarrada e amordaçada antes de ser mergulhada em querosene e incendiada.

Leia também:

Durante a viagem de ambulância para o hospital, Rafi contou ao irmão o que havia acontecido ao gravar o relato do incidente no celular: “O professor me tocou. Vou lutar contra isso até meu último suspiro”, disse ela.

Ela morreu quatro dias depois, com 80% do corpo coberto por queimaduras.

A violência sacudiu Bangladesh, provocando protestos e levantando preocupações sobre a situação de mulheres e meninas na nação conservadora de maioria muçulmana de 160 milhões de pessoas.

BANGLADESH-ASSAULT-GENDER
Mulheres seguram faixas e fotografias da estudante Nusrat Jahan Rafi em um protesto em Dhaka, Bangladesh, em 12 de abril de 2019. (Foto de Sazzad Hosain / AFP / Getty Images)

O assédio sexual e a violência supostamente não são relatados lá, pois as vítimas são intimidadas e o processo legal é demorado. Dizem que muitos evitam relatar incidentes à polícia por causa do estigma social.

De acordo com grupos de direitos humanos, a polícia geralmente mostra relutância em investigar esses casos e é acusada de ser influenciada pela política ou suborno local.

Dias antes de Rafi ser incendiada, ela apresentou uma queixa à polícia de que o diretor a havia chamado em seu escritório e a tocado repetidamente de forma inadequada.

Leia também:

Sua família concordou em ajudá-la a registrar a queixa, o que levou a polícia a prender o diretor, enfurecendo ele e seus apoiadores. Isso resultou em políticos locais apoiando o diretor da escola.

A polícia testemunhou que os suspeitos disseram que o ataque a Rafi foi planejado e ordenado pelo diretor enquanto ele estava na prisão e recebeu visita de seus apoiadores. Eles disseram que o ataque planejado deveria ocorrer durante o dia, para que parecesse uma tentativa de suicídio.

AP Contribuiu para esta reportagem.

Uma grande formaçao humana em Taipei

Uma grande formação humana em Taipei

Todos os anos milhares de pessoas se reunem em Taiwan para celebrar uma causa incrível. Uma grande formação humana é então realizada em Taipei para celebrar o encontro mundial dos praticantes do Falun Dafa.

اس پر ‏‎Epoch Times – Sublime‎‏ نے شائع کیا ہفتہ، 10 اگست، 2019

 

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.