2020: o Brasil na mira da inteligência comunista

Por Ricardo Roveran, Terça Livre
25 de Diciembre de 2019 11:56 PM Actualizado: 26 de Diciembre de 2019 10:32 AM

O Terça Livre convidou neste Natal o ex-procurador da Fazenda, ex-promotor de justiça e doutor em inteligência, Hugo Hoeschl, uma referência no meio para falar sobre o cenário de ameaça à liberdade de expressão que se constrói gradualmente no Brasil.

Numa descontraída conversa o especialista desmentiu informações de blogs de esquerda que espalharam fake news a respeito dele, da formação dele e das ocupações que já atuou.

Hugo relembrou conosco casos emblemáticos como o vídeo dele em 2016 que ultrapassou 2.5 milhões de expectadores denunciando possíveis fraudes nas urnas eletrônicas e as métricas de alcance do presidente Jair Bolsonaro nas mídias sociais. Em todas as oportunidades sendo “desmentido” com argumentos absolutamente ridículos por incapazes que se auto-proclamam autoridades e exigem ainda respeito como tal: os “fact-checkers”.

Analisando o cenário composto em 2019 por CPMI das Fake News, incêndios na Amazônia, derramamentos de óleo em praias do nordeste que atingiram 8 estados, e outros fatos políticos que configuram uma perseguição ao presidente eleito com aproximados 58 milhões de votos, e para além dos fatos políticos, uma colaboração da “grande mídia” que de espontânea nada tem, mas sim uma ocupação por militância comunista que já não consegue esconder sua paixão político-partidária e já se tornou piada entre os expectadores, o especialista foi claro: 2020 será o ano da decisão para o país, ou o brasileiro vence os comunistas, ou sucumbe e se torna uma nova Cuba, uma nova Venezuela.

Confira a entrevista completa

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.
Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.