A linha tênue entre educação e doutrinação

O incidente na escola de Alberta representa uma boa oportunidade para refletirmos sobre o papel dos professores ao lidar com questões controversas
Por Michael Zwaagstra
18 de Diciembre de 2019
Actualizado: 18 de Diciembre de 2019

Ensine os alunos a pensar em vez do que pensar. Educamos os alunos quando os ajudamos a pensar por si mesmos, mas os doutrinamos se os fazemos pensar como nós.

Os professores têm percorrido essa delgada linha já por um longo tempo, mas um incidente recente em uma escola em Alberta, no Canadá, nos mostra que é mais fácil falar do que fazer.

Durante uma aula de Estudos Sociais sobre desenvolvimento sustentável, um professor da quarta série da Escola Primária Iron Ridge, em Blackfalds, Alberta, usou dois vídeos para fornecer aos alunos visões contraditórias sobre areias betuminosas. Um vídeo, produzido pelo Greenpeace, criticava uma mancha de óleo, enquanto o outro, produzido pelo governo de Alberta, a apoiava. Os alunos assistiram aos dois vídeos, fizeram anotações e formaram suas próprias opiniões.

Leia também:
Por que o PISA, por si só, é inútil

Até onde sabemos, foi uma excelente lição. O professor expôs os alunos a diferentes perspectivas, forneceu-lhes fontes diferentes e evitou levá-los a uma conclusão “correta”. Infelizmente, alguns pais não gostaram do professor ter exposto os alunos a uma perspectiva anti-petróleo e fizeram ameaças contra a escola nas redes sociais. Essas ameaças levaram ao cancelamento do baile anual de Natal da escola.

Obviamente, ameaças contra qualquer escola são sempre inaceitáveis. Embora alguns pais prefiram que seus filhos não sejam expostos a perspectivas alternativas, a escola é o melhor lugar para pensar sobre essas questões. Os professores prestam um excelente serviço aos alunos quando desafiam suas suposições e os fazem pensar.

Infelizmente, nem todos os professores adotam uma abordagem tão equilibrada para questões controversas como a adotada por esse professor. Por exemplo, a ministra da Educação de Alberta, Adriana LaGrange, tuitou recentemente várias perguntas de um teste de Estudos Sociais em Calgary. As perguntas do teste foram obviamente tendenciosas contra o setor de energia de Alberta, pois os estudantes tiveram que identificar argumentos “válidos” contra o desenvolvimento dos campos de petróleo. Imagine o alvoroço se for pedido aos alunos que identifiquem argumentos “válidos” contra o aborto.

Infelizmente, a doutrinação vai muito além das perguntas tendenciosas do teste. No ano passado, a CBC apresentou um professor da escola pública de Regina que passou algum tempo em uma sessão intensiva de treinamento liderada pelo ex-vice-presidente dos EUA Al Gore. Esse professor, que foi designado como “líder da realidade climática” pelo instituto de treinamento Gore, fez seus alunos da 6ª e 7ª séries passarem um mês inteiro trabalhando em uma variedade de projetos sobre mudança climática. Esta unidade culminou com um evento público em que os alunos fizeram apresentações sobre como deter as mudanças climáticas.

A história da CBC deixou claro que esse professor foi muito além de informar os alunos sobre as mudanças climáticas. Seu experimento sobre mudança climática foi projetado para que seus alunos tomassem medidas que se encaixassem no que aprenderam na sessão de treinamento de Gore. Isso não é educação, é doutrinação.

Infelizmente, muitos outros professores cruzam a linha da defesa política em suas salas de aula. No início deste ano, eu fui um dos três professores que participaram de um painel de discussão sobre ativismo ambiental no The Current, um popular programa de rádio da CBC. Incrivelmente, os outros dois professores do painel não viram nenhum problema em levar seus alunos às manifestações e acharam que era totalmente apropriado empurrar suas perspectivas sobre os estudantes.

Para piorar a situação, muitos sindicatos de professores não fazem nenhum esforço para esconder seus preconceitos políticos. No ano passado, Tzeporah Berman, professora associada de estudos ambientais e ex-diretora do Greenpeace, foi a oradora principal em uma conferência da Associação de Professores de Alberta. Berman é uma conhecida crítica das areias betuminosas que uma vez comparou o desenvolvimento das areias betuminosas com o terreno fictício de Mordor. Quando os sindicatos de professores usam suas contribuições sindicais para atrair oradores unilaterais, dificultam a permanência política de seus membros na sala de aula.

Alguns professores chegam a renunciar a qualquer possibilidade de neutralidade. Por exemplo, a professora Brianna Sharpe escreveu recentemente um artigo para o The Globe and Mail, argumentando que a educação é sempre política. Embora Sharpe tenha feito alguns comentários sensatos na primeira parte de seu editorial, ela detonou sua credibilidade quando citou o educador brasileiro Paulo Freire, que disse que “o ensino nunca é um ato neutro”.

Freire não era apenas um revolucionário socialista radical, mas rejeitava a importância de fornecer a todos os alunos uma base comum de conhecimentos e habilidades. A popularidade contínua das ideias radicais de Freire nas faculdades de educação é em grande parte a razão pela qual a formação de professores hoje em dia é tão abismal. Ao citar Freire para justificar seu argumento de que o ensino é inerentemente político, Sharpe revelou muito do que há de errado na educação pública.

Existe uma opção melhor. Para que os alunos se tornem pensadores críticos, precisam dominar um conjunto definido de conhecimentos em uma variedade de áreas. Os professores precisam ajudar seus alunos a desenvolver um conhecimento substancial do conteúdo específico da matéria. Isso implica necessariamente expor os alunos a diferentes perspectivas sobre uma variedade de tópicos.

Embora seja impossível ser completamente neutro, todos os professores devem fazer um esforço para deixar de lado seus próprios pontos de vista e permitir que os alunos desenvolvam suas próprias conclusões sobre questões controversas.

Há uma linha tênue entre educação e doutrinação. Ela nunca deve ser ultrapassada.

Michael Zwaagstra é professor do ensino médio público e autor de Um Sábio no Palco: Reflexões do senso comum sobre o ensino e a aprendizagem

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não representa necessariamente a opinião do Epoch Times

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS