Autora de “Harry Potter” doa R$ 76 mi para pesquisa de doenças neurológicas

Por EFE
12 de Septiembre de 2019
Actualizado: 12 de Septiembre de 2019

Edimburgo (Reino Unido), 12 set (EFE)- A escritora britânica J.K Rowling, autora da série de livros “Harry Potter”, doou US$ 18,6 milhões (quase R$ 76 milhões) a um centro que leva o nome de sua mãe na cidade de Edimburgo, na Escócia, para apoiar a pesquisa de doenças neurológicas, como a esclerose múltipla e o mal de Parkinson.

A Clínica de Neurologia Regenerativa Anne Rowling, da Universidade de Edimburgo, foi construída em 2010 com uma doação de US$ 2,1 milhões (R$ 8,5 milhões na cotação atual) feita pela autora de “Harry Potter”.

Desta vez, a verba doada será usada para criar novas instalações para a clínica e apoiar a realização de mais estudos clínicos em pacientes com problemas neurológicos, como a esclerose múltipla. A mãe da autora foi vítima da doença e morreu aos 45 anos.

A famosa autora disse ficou surpreendida com o progresso que a clínica fez no campo da neurologia regenerativa e por isso decidiu fazer uma nova doação.

“É um grande orgulho para mim que a clínica tenha combinado essas elevadas ambições com um apoio prático para as pessoas com esclerose múltipla, independentemente da etapa e do tipo que elas sofram. Vi em primeira mão a diferença que esse apoio pode representar”, afirmou Rowling em comunicado.

A escritora se inspirou em muitos locais de Edimburgo para escrever a história de Harry Potter, o mago mais famoso do mundo. Segundo o jornal “The Sunday Times”, Rowling tem uma fortuna de US$ 910 milhões (R$ 3,7 bilhões) e é conhecida por colaborar com várias causas beneficentes.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS