BC lança consulta pública sobre regulamentação de caixas eletrônicos

Por agência brasil
16 de Diciembre de 2019
Actualizado: 16 de Diciembre de 2019

O Banco Central (BC) colocou hoje (16) em consulta pública uma proposta para a regulamentação do serviço de caixas eletrônicos. Atualmente, as condições de prestação desse serviço são estabelecidas por meio de contratos comerciais entre as operadoras dos caixas eletrônicos e as instituições financeiras e não são submetidas à aprovação do BC.

Na prática, se a proposta for colocada em vigor, o BC poderá, por exemplo, impedir a cobrança de taxas abusivas sobre saques e abrirá a possibilidade de que clientes de um banco utilizem o caixa eletrônico de outro, modalidade conhecida como interoperabilidade.

“O diagnóstico, à luz da evidência que nós temos, e à luz da experiência internacional, é que nós temos no Brasil baixa interoperabilidade e temos processos de apreçamento [taxas] diferenciados, que pode ter uma razão econômica para justificá-lo, mas terá que ser clara e justificada em fatos concretos”, disse o diretor de Organização do Sistema Financeiro e Resolução do Banco Central, João Manoel Pinho de Mello.

De acordo com o BC, há evidências de que os bancos digitais, os emissores de moeda eletrônica e mesmo bancos tradicionais de menor porte, por não disporem, ou disporem de forma muito limitada de canais de atendimento presenciais, têm enfrentado custos elevados para dar acesso a esses serviços para seus clientes.

“Embora os caixas eletrônicos e assemelhados não sejam as únicas formas de ingresso e de saque dos recursos nessas contas, o dinheiro ainda é a forma de pagamento utilizada com maior frequência por cerca de 60% da população brasileira”.

A proposta do BC baseia-se na Lei nº 12.865, de 9 de outubro de 2013, e ficará em consulta pública até 14 de fevereiro de 2020.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS