Bolsonaro junta Cultura a Turismo e atribui viés econômico ao ministério

Transferência segue tendência mundial de atribuir viés econômico a essas áreas
07 de Noviembre de 2019
Actualizado: 07 de Noviembre de 2019

Por Cláudio Humberto, Diário do Poder

Decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e publicado no Diário Oficial desta quinta-feira (7), transferiu toda a área de Cultura do Ministério da Cidadania para o Ministério do Turismo. A expectativa é que a denominação da pasta passe a Ministério da Cultura e do Turismo.

A iniciativa segue uma tendência mundial de atribuir a essas áreas um viés econômico. Durante o governo de transição, a equipe do atual ministro Paulo Guedes (Economia) estudou seriamente a adoção desse conceito, reunindo em um “Ministério do Entretenimento”, além de Turismo e Cultura, também Esportes.

Leia também:
300 dias do governo Bolsonaro: o que há de novo no Brasil?

O decreto presidencial transferiu à pasta do Turismo a Secretaria Especial de Cultura, o Conselho Nacional de Política Cultural, Comissão Nacional de Incentivo à Cultura, Comissão do Fundo Nacional de Cultura e seis Secretarias.

Também foram transferidas as competências do Ministério da Cidadania para o Ministério do Turismo quanto à política nacional de cultura, proteção do patrimônio histórico, artístico e cultural, regulação dos direitos autorais, assistência ao Ministério da Agricultura e do Incra nas ações de regularização fundiária, para garantir a preservação da identidade cultural dos remanescentes das comunidades dos quilombos.

O desenvolvimento e implementação de políticas e ações de acessibilidade cultural e a formulação e implementação de políticas, programas e ações para o desenvolvimento do setor museal também foram atribuições transferidas para o Ministério do Turismo.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS