Zema encaminha privatização de estatal mineira com direito a explorar nióbio

Por DIÁRIO DO PODER
09 de Octubre de 2019 8:00 PM Actualizado: 10 de Octubre de 2019 10:29 AM

A Codemig (Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais) é a primeira estatal mineira a ser encaminhada para privatização pelo governo de Romeu Zema (Novo). O projeto de lei com a proposta foi protocolado nesta quarta-feira (9) na Assembleia Legislativa. E para o secretário de planejamento e gestão, Otto Levy, a estatal é a mais valiosa entre aquelas que devem ser privatizadas.

Em falas públicas, desde o início do ano, Zema citava sempre a Cemig (energia) como estatal na mira da privatização. Por lei, o Estado deve convocar referendo para venda dela e da Copasa (água e saneamento). A opção pela Codemig, segundo o governo, foi pela importância dela para o fluxo de caixa do Estado.

Leia também: 

“Temos que lembrar que nossa intenção é privatizar todas as empresas de Minas. Estamos enviando inicialmente agora a Codemig, mas é nossa intenção que vá a Cemig, a Copasa e a Gasmig (gás). Não há, quando se fala de legislativo, um cronograma definido. (…) Um casamento para dar certo não é porque marcou a data, depende do desenrolar do namoro”, afirmou Zema a jornalistas.

A Codemig detém os direitos de exploração da jazida de nióbio em Araxá -terra do governador, e onde está a maior concentração mundial do minério. Beneficiamento, industrialização e venda do nióbio são feitos pela CBMM (Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração), que repassa 25% dos lucros líquidos para o estado.

Os valores da empresa são subjetivos e ainda devem ser definidos por um estudo, segundo o secretário da Fazenda, Gustavo Barbosa. Antes da venda, o governo pretende antecipar os recebíveis da participação na venda do nióbio como garantia para tomar um empréstimo com valores entre R$ 5 bilhões e R$ 6 bilhões. A ideia é que a venda deles seja feita em leilão.

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema, no V Fórum dos Governadores, em 11 June 2019 (Paulo H. Carvalho / Agência Brasília)
O governador de Minas Gerais, Romeu Zema, no V Fórum dos Governadores, em 11 June 2019 (Paulo H. Carvalho / Agência Brasília)

Há ainda um inquérito civil aberto no Ministério Público de Minas Gerais que apura o arrendamento do direito de exploração da jazida de nióbio em Araxá para à CBMM, se há alguma revisão a ser feita nos valores. A parceria entre a empresa e a estatal começou em 1972 e foi renovada até 2032.

“Na minha opinião, a Codemig é a empresa que mais vale. O outro motivo que, sem dúvida alguma fez com que o governador a colocasse primeiro, é porque é uma empresa que não mexe diretamente com a população, não é empresa de água ou luz”, avaliou o secretário de planejamento e gestão, Otto Levy.

Recuperação fiscal

Segundo o governo, a dívida atual de Minas Gerais chega a R$ 108 bilhões. O estado tem passivo de despesas deixados pela gestão de Fernando Pimentel (PT) de R$ 34,5 bilhões e a projeção é que o déficit de 2019 chegue a R$ 15,1 bilhões -cerca de R$ 4 bilhões a mais do que a previsão do início do ano.

O governo encaminhou ainda à Assembleia pedido de autorização para solicitar à União a adesão ao regime de recuperação fiscal (RFF), e pedido de autorização para antecipação dos recebíveis a que a Codemig tem direito até 2032. O RRF é defendido pelo atual governo como única saída para a crise.

Os três projetos foram apresentados pela manhã aos líderes das bancadas da Assembleia Legislativa e protocolados à tarde na Casa. Eles fazem parte do programa batizado como “Todos por Minas” e são os primeiros de “uma série de outros que virão”, segundo Zema. O número total não foi especificado.

Liminares no STF (Supremo Tribunal Federal) suspenderam o pagamento da dívida de MG com a União, mas caso elas fossem derrubadas, o estado teria de pagar imediatamente R$ 9,4 bilhões aos cofres federais -o equivalente a três folhas mensais de pagamento.

Com a assinatura do RRF, criado no governo de Michel Temer (MDB) para socorrer estados em crise, o pagamento da dívida ficaria suspenso por três anos, podendo ser renovado por mais três.

Zema diz que tem dialogado com os partidos e avalia sua relação como “melhor possível”. O governador comparou sua situação com a do governo de Jair Bolsonaro (PSL), que também não tinha maioria no Congresso, mas conseguiu a aprovação da reforma da previdência.

“Tenho mostrado que o nosso governo levantou, não a bandeira do partido A, B ou C, não é a bandeira da ideologia A, B ou C, é a bandeira de Minas e que temos que estar unidos. Eu tenho percebido que eles têm visto essa intenção nossa real”, afirmou. (Com informações da Folhapress)

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.