Bolsonaro responde a Trump: “Não estamos aumentando artificialmente o dólar”

Por EFE
04 de Diciembre de 2019 Actualizado: 05 de Diciembre de 2019

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, respondeu na quarta-feira a seu colega dos Estados Unidos, Donald Trump, após seu anúncio para avaliar o aço e o alumínio brasileiros e alertou que seu governo não está “aumentando artificialmente o preço do dólar”.

“Não queremos aumentar artificialmente aqui, não estamos aumentando artificialmente o preço do dólar”, disse Bolsonaro depois de deixar o Palácio da Alvorada, residência oficial do presidente, em Brasília.

A declaração do presidente brasileiro ocorre depois que Trump anunciou sua decisão de restaurar tarifas de aço e alumínio no Brasil e na Argentina depois de argumentar que os dois países aplicaram “uma desvalorização maciça de suas moedas”, o que prejudica os agricultores americanos. .

Os Estados Unidos impôs tarifas de 25% sobre as importações de aço de vários países e 10% sobre as de alumínio no âmbito de sua guerra comercial com a China em março de 2018, mas logo relaxou as restrições ao Brasil, que aceitou um acordo que estabelece tarifa de 10% nas vendas de alumínio e cotas para as vendas de aço.

O líder conservador, um admirador confessado de Trump, com quem ele diz ter um relacionamento muito bom e um contato “muito cordial”, reiterou sua confiança no presidente dos Estados Unidos e enfatizou que ainda não há uma decisão firme por parte dos Estados Unidos.

“Não há decepção, porque a última palavra não foi dada (…) Não é porque um amigo me falou grosso que eu vou dar as costas”, acrescentou Bolsonaro.

Segundo o presidente brasileiro, uma das razões da forte depreciação do real – que caiu cerca de 8,5% até agora neste ano – foi a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China.

Bolsonaro já alertou nesta semana que o anúncio de Trump de impor tarifas sobre importações de aço e alumínio não afeta o bom relacionamento entre os dois países, que se intensificou desde a chegada do capitão da reserva do Exército.

**************

Assista também:

Uma carta de S.O.S. revela o lado obscuro dos Made in China

 

 

 

TE RECOMENDAMOS