Brasil-EUA: um avanço espacial no novo acordo

Por Fernando de Castro, Especial para o Epoch Times
12 de Diciembre de 2019 11:37 PM Actualizado: 12 de Diciembre de 2019 11:39 PM

Em sua primeira visita oficial aos Estados Unidos, em março, o Presidente brasileiro Jair Bolsonaro anunciou ao lado do Presidente Donald Trump a assinatura de um acordo de salvaguardas tecnológicas que viabilizará as operações comerciais de empresas norte-americanas no Centro Espacial de Alcântara, localizado no estado do Maranhão, Região Nordeste do Brasil.

A negociação do novo acordo levou quase 20 anos para ser concluída e inicialmente foi rejeitada em 2000 pelo Parlamento Brasileiro no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. No entanto, em 12 de novembro deste ano, o Senado Federal aprovou os termos do pacto firmado com os Estados Unidos. 

Ao assinar o acordo com Bolsonaro, o Presidente Donald Trump celebrou o novo pacto com o Brasil e ressaltou a importância econômica do ato. “Por conta da localização de Alcântara, conseguiremos economizar quantias enormes de dinheiro”, afirmou. 

“A Base de Alcântara, para nós, está sendo deficitária. E a entrada dos Estados Unidos ajuda a catapultar o Centro de Lançamento, além de aprimorar a economia e a geração de novos empregos”, destacou o Presidente Jair Bolsonaro em coletiva de imprensa após reunião na Casa Branca. 

O acordo faz parte do Programa Espacial Brasileiro, encabeçado pela Agência Espacial do Brasil e tem como principal objetivo explorar as potencialidades que o país tem a oferecer nesta área.

 

Fundamentos do acordo

A nova parceria firmada entre o Brasil e os Estados Unidos prevê a proteção das tecnologias e patentes norte-americanas contra o uso ou cópia não-autorizadas pelos detentores. 

Com o acordo, os Estados Unidos autorizam que o Brasil faça o lançamento de foguetes e espaçonaves nacionais e estrangeiras; por sua vez, caberá ao Brasil a proteção de todas as tecnologias contidas nos equipamentos utilizados. 

O pacto, porém, não prevê a permissão do lançamento de mísseis ou artefatos bélicos, tratando apenas de fins pacíficos.

Protagonismo americano

Em entrevista exclusiva ao The Epoch Times, o Presidente da Agência Espacial Brasileira, Carlos Teixeira Moura, detalhou diversos pontos do novo acordo e destacou os avanços que o pacto trará para o Brasil e os Estados Unidos. 

Segundo Moura, a viabilização do acordo permitirá que o Brasil entre num mercado composto por 80% de tecnologia norte-americana, podendo explorar diversos segmentos da área espacial. 

“A exigência que o Governo Americano fez foi no sentido de respeitar a propriedade intelectual da tecnologia deles. Por outro lado, a tecnologia norte-americana está presente em cerca de 80% dos artefatos de foguetes e satélites, portanto, esse acordo nos insere de forma mais significativa neste mercado”, afirmou. 

Além de ser uma opção segura para a realização dos trabalhos, Alcântara tende a oferecer aos Estados Unidos grandes benefícios econômicos por necessitar de um custo menor para a viabilização das atividades espaciais. 

Atualmente, o Centro de Lançamento de Alcântara encontra-se ocioso e de acordo com o Presidente da Agência, tal fator pode favorecer em grande escala os lançamentos dos foguetes americanos, em função da disponibilidade da agenda. 

“De imediato, os Estados Unidos serão beneficiados com a atual ociosidade dos lançamentos, passando a ter a oportunidade de poder contar com um calendário mais flexível e sem a necessidade de aguardar muito tempo para realizar as atividades que eles precisam fazer”, afirmou.

Em função da proximidade com o Equador, há a facilitação do local para lançar foguetes para outras áreas devido à inclinação mais abrangente da órbita.

“Os Estados Unidos têm vários sítios de lançamentos, mas com inclinações de órbita muito restritas, e Alcântara abrange mais de 100 graus de possibilidades de lançamento, podendo ser para o norte, sul, leste e oeste. Portanto, em apenas um local, com uma única infraestrutura, eles poderão lançar foguetes para qualquer direção e dispensando uma quantia muito menor de dinheiro para esses trabalhos”, destacou o presidente.

 

Ganhos para o Brasil

O Brasil passa a ter, graças ao novo acordo, uma maior visibilidade na área espacial, atraindo mais empresas para investirem no país, proporcionando grandes vantagens financeiras devido às atividades realizadas em Alcântara e impulsionando a geração de empregos. 

De acordo com dados fornecidos pela Agência Espacial Brasileira, atualmente, existe a previsão do país arrecadar anualmente cerca de US$10 bilhões por ano com os trabalhos realizados no local. 

O Presidente da Agência também destacou os avanços na educação que as demandas em Alcântara poderão trazer, como maior oferta de cursos universitários e especializações em ciências espaciais. 

“Com as atividades, há a tendência de despertar o interesse de várias pessoas e surgirem demandas na educação. Portanto, é questão de tempo para surgir um maior interesse nos estudos nessa área”, afirmou Moura.

 

Questão política

Rejeitado no ano 2000 pelo Congresso Nacional, o acordo reeditado e assinado por Bolsonaro e Trump foi aprovado por um número alto de votos no parlamento brasileiro em novembro. 

Em entrevista ao The Epoch Times, o senador Nelsinho Trad (PSD/MS), afirmou que houve um entendimento na atual composição do parlamento em torno da necessidade de aprovação do acordo. 

Trad é Presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado Federal e integrou a comitiva presidencial que visitou Washington em março. Na ocasião, o senador visitou alguns integrantes do Senado Americano e que, segundo ele, ficaram satisfeitos com os termos do novo acordo.

Leia também:

“Os senadores entenderam os benefícios que o acordo trará para o Brasil, pois isso irá gerar divisas econômicas para o país e proporcionará um maior desenvolvimento do estado do Maranhão, além de toda a tecnologia que advém dos americanos. Considero que Alcântara é o local mais propício para o lançamento de foguetes e satélites”, afirmou.

Trad observou que o acordo melhora o relacionamento do Brasil com os Estados Unidos e possibilita outras parcerias com os americanos. 

******

Assista também:

A verdadeira vocação do CEO da Telecom

 

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.