Cabello ameaça Colômbia com mísseis, mas especialistas militares dizem que eles não têm potência suficiente

Por JULIAN BERTONE
29 de Octubre de 2019
Actualizado: 29 de Octubre de 2019

Diosdado Cabello, o número dois da ditadura de Maduro, fez declarações ameaçadoras à Colômbia novamente, desta vez sobre mísseis russos apontando para os bairros da burguesia do país vizinho, no entanto, de acordo com declarações de especialistas, trata-se de armamento que não funciona para objetivos terrestres.

Depois que o presidente oficial da Assembléia Nacional Constituinte disse durante um programa nacional que os mísseis russos Pechora “são quentes” e estão apontando diretamente para os bairros colombianos El Nogal e La Candelaria “, porque é onde a burguesia mora”, um especialista o desmentiu e o considerou ignorante.

“A verdade é que essas pessoas ignorantes não têm consciência”, disse um oficial da força armada venezuelana, cujo nome não foi divulgado, ao Infobae, referindo-se à ignorância dos oficiais da ditadura em relação às capacidades técnicas de suas armas.

O Pechora é um míssil terra-ar que o regime chavista comprou de Moscou para a defesa antiaérea, e o oficial da aviação consultado pela mídia mencionada disse que Cabello não está ciente do que está falando e que “ele apenas tenta enganar o público da plateia que o aplaude no programa de televisão ao mentir para eles”.

Um veículo militar carregando mísseis Pechora durante um exercício militar no aeroporto García Hevia de La Fría, estado de Tachira, Venezuela, em 10 de setembro de 2019 (SCHNEYDER MENDOZA / AFP / Getty Images)
Um veículo militar carregando mísseis Pechora durante um exercício militar no aeroporto García Hevia de La Fría, estado de Tachira, Venezuela, em 10 de setembro de 2019 (SCHNEYDER MENDOZA / AFP / Getty Images)

Mesmo assim, a fonte consultada destaca as más intenções do regime contra a população civil e desarmada, como a que vive nas urbanizações ameaçadas da Colômbia.

Pedro Carreño, também membro da Assembléia Constituinte Chavista, disse algo semelhante algumas semanas antes: “em 11 segundos, um [avião de combate] Sukhoi está em Bogotá; nós temos as coordenadas do palácio Narkiño (sic), temos as coordenadas do bairro de El Nogal, onde a oligarquia vive”.

Na opinião dos pilotos das Forças Armadas Bolivarianas (FANB), Carreño não sabe do que está falando ou não sabe o tempo e a distância entre a fronteira da Venezuela e Bogotá.

Leia também:

“Um Sukhoi decolando da Base Aérea de Santo Domingo do estado de Táchira para chegar a Bogotá leva aproximadamente 20 minutos, ou seja, 1200 segundos, e não 11 segundos, como disse Pedro Carreño, porque a distância entre Bogotá e Santo Domingo em linha reta é de cerca de 400 a 500 quilômetros. Essa é a velocidade de um Sukhoi 30 que a Força Aérea Venezuelana tem”, explicou um general da Força Aérea Venezuelana, conforme citado pelo Infobae.

Quando perguntado pelos mísseis Pechora mencionados por Cabello, o oficial descartou qualquer possibilidade de que eles constituíssem uma ameaça real à população colombiana.

“Primeiro, o Pechora alcança 27 quilômetros, se o avião não o eliminar primeiro. Em segundo lugar, não é uma arma balística, ou seja, não é uma artilharia de campo, portanto não é para objetivos terrestres”, disse o especialista e depois apontou para Cabello:“ Está se tornando ridículo, fazendo até os russos gargalhaem com o que ele diz”.

SANTIAGO, CHILE - 25 DE OUTUBRO: Manifestantes jogam coisas e causam incêndios durante o oitavo dia de protestos contra o governo do presidente Sebastián Piñera em 25 de outubro de 2019 em Santiago, Chile (Foto de Marcelo Hernandez / Getty Images)
SANTIAGO, CHILE – 25 DE OUTUBRO: Manifestantes jogam objetos e causam incêndios durante o oitavo dia de protestos contra o governo do presidente Sebastián Piñera em 25 de outubro de 2019 em Santiago, Chile (Foto de Marcelo Hernandez / Getty Images)

Cabello também lembrou a expressão “furacão bolivariano” para se referir, neste caso, à “revolta do povo colombiano” contra a “burguesia”, que, segundo o líder do Chvismo, terá “proporções indescritíveis” e “nunca poderá parar” quando acontecer.

Para o líder, as ondas de protestos e incidentes que estão ocorrendo na América Latina, como no Chile, Equador, Colômbia e até Peru, são manifestações do “ressurgimento da esquerda bolivariana” contra o imperialismo e o Fundo Monetário Internacional (FMI) e, como Nicolás Maduro, ele os reivindica.

“Estamos felizes por haver uma brisa bolivariana por toda a América”, disse Cabello em uma mobilização transmitida pela televisão nacional no início de outubro e acrescentou: “Ore para que Deus fique na brisa, porque, à medida que continuamos ela está se tornando uma ventania para se tornar um furacão bolivariano que percorrerá a grande pátria da América”.

Leia também:

Por sua parte, Maduro disse apenas em um evento público televisionado no domingo, 20 de outubro, que todos os projetos delineados no Foro de São Paulo estavam sendo cumpridos.

“Foro de São Paulo, posso te dizer da Venezuela, estamos cumprindo o plano ”, disse Maduro e acrescentou: “o plano está indo como planejamos, é perfeito. Você me entende. Fórum de São Paulo, o plano está em pleno desenvolvimento. Todas as metas que estabelecemos para nós no Foro de São Paulo estão sendo cumpridas uma a uma”.

A sucessão de eventos é interpretada por numerosos líderes, políticos e analistas como um plano orquestrado pela esquerda para tomar o poder na América Latina, com uma importante intervenção do regime venezuelano e cubano.

Manifestantes agitam uma bandeira chilena durante o oitavo dia de protestos contra o governo do presidente Sebastián Piñera em 25 de outubro de 2019 em Santiago, Chile. O presidente Sebastián Piñera anunciou medidas para melhorar a desigualdade social, no entanto, os sindicatos pediram uma greve nacional e as manifestações em massa continuam quando o número de mortos chega aos 18 anos. (Foto de Marcelo Hernandez / Getty Images)
Manifestantes agitam uma bandeira chilena durante o oitavo dia de protestos contra o governo do presidente Sebastián Piñera em 25 de outubro de 2019 em Santiago, Chile. O presidente Sebastián Piñera anunciou medidas para melhorar a desigualdade social, no entanto, os sindicatos pediram uma greve nacional e as manifestações em massa continuam enquanto o número de mortos já chega a 18 (Foto de Marcelo Hernandez / Getty Images)

Julio Borges, comissário especial para as relações exteriores da Venezuela, foi um dos que apontaram que por trás dos protestos existe uma “estratégia internacional de desestabilização”.

Em um tweet publicado no sábado, 19 de outubro, Borges disse: “É hora de unir forças!” E denunciou que “nenhuma democracia está a salvo do plano de desestabilização que Maduro e Cuba estão liderando”.

Leia também:

O ex-prefeito de Caracas no exílio Antonio Ledezma também alertou a comunidade internacional com uma publicação em sua conta no Twitter, onde ele diz que os protestos que abalam o Equador e o Chile, também mencionando Argentina e Peru, têm seu “centro de operações” em Cuba “e sua fonte de financiamento na Venezuela”.

“Eles passam pela Argentina, Equador, Chile e Peru, enquanto consolidam o México, Bolívia e Nicarágua”, tuitou Ledezma.

*****

Assista também:

 

TE RECOMENDAMOS