Cães mortos são encontrados na casa de uma mulher que supostamente os vendia como pastel de carne (Vídeo)

O Instituto do Bem-Estar Animal (IBA) foi encarregado de resgatar os cães e colocá-los em um abrigo
Por Pachi Valencia
23 de Septiembre de 2019 4:54 PM Actualizado: 23 de Septiembre de 2019 4:54 PM

Aviso: As imagens mostradas no vídeo podem ferir a sensibilidade de alguns leitores.

Vizinhos do estado de Puebla, no México, descobriram corpos de cães dentro de uma geladeira e mais de 30 animais sequestrados na casa de uma mulher que supostamente os matou para vendê-los como pastel de carne.

A mulher, identificada como Maria Antonieta, com cerca de 35 anos, foi presa pela polícia pelo suposto crime de roubar cães e gatos do bairro, matando-os e vendendo sua carne em uma barraca de comida na cidade de Bosques de San Sebastián, informou Milenio.

Depois que Jorge Luis, um morador do local, soube que haviam visto seu poodle “Bongo”, perdido desde 13 de setembro passado, dentro da casa de Maria Antonieta, a família foi procurá-lo e ao soprar um apito, viram que Bongo respondeu.

A família de Jorge Luis bateu à porta de Maria Antonieta para pedir o cachorro de volta, mas ela se recusou a entregá-lo. Quando foram notificar as autoridades sobre o incidente, os policiais se recusaram a agir, então Jorge Luis pediu ajuda aos vizinhos.

“Quando ela viu a multidão, ficou com medo e fugiu de casa com um de seus filhos, deixando a porta aberta; foi então que conseguimos entrar e nos deparar com uma cena macabra”, disse Jorge Luis à Milenio.

Segundo o vizinho, entre os mais de 30 animais capturados, havia também pombos e coelhos.

Outros moradores afirmam que a mulher comia os animais e também os vendia como pastel de carne nos finais de semana em um local próximo a uma farmácia. No entanto, as autoridades ainda não confirmaram essa versão.

O Instituto do Bem-Estar Animal (IBA) foi encarregado de resgatar os cães e colocá-los em um abrigo.

Maria Antonieta foi presa pela Polícia Municipal e agora está à disposição do Ministério Público, que investigará o caso.

Estarrecedor vídeo mostra abuso de animais em um matadouro em Madri

Cenas comoventes podem ser vistas em um vídeo que a organização Equalia forneceu à mídia como uma denúncia pública, acompanhada de uma denúncia criminal dirigida à empresa que administra o matadouro em Madri, Cárnicas Salvanés.

Cordeiros paralisados, talvez por causa do medo, talvez por causa de doenças, são espancados e jogados de qualquer jeito na linha de abate. Outros são degolados sem atordoamento prévio em uma cadeia onde a pressa está acima de qualquer consideração. Em alguns são colocados brincos , uma espécie de identificação na orelha, pouco antes de entrarem na linha de montagem que leva à sua morte.

“A denúncia pode ser classificada em três partes: bem-estar animal, higiene e segurança alimentar”, explica Guillermo Moreno, coordenador geral da Equalia.

Sobre a falta de higiene, Moreno se refere ao fato de que “as instalações, os cercados, estão cheios de fezes e urina, que “favorecem a proliferação de pulgas e o acúmulo de gases que podem afetar os trabalhadores”.

Quanto à segurança alimentar, ele disse que os animais “não tinham uma etiqueta e a estavam colocando apressadamente quando já tinham que entrar no matadouro porque toda a rastreabilidade havia sido perdida”.

A parte sobre o bem-estar animal não parece ser preciso explicar depois que se assiste ao vídeo.

A legislação europeia e nacional atual exige a dessensibilização completa dos animais antes do abate, sendo a única exceção os sacrifícios rituais kosher e halal praticados pela comunidade hebraica e grande parte da comunidade muçulmana.

No entanto, o momento da degola que é visto no vídeo não corresponde a um desses ritos.

Moreno esclarece que, embora Cárnicas Salvanés tenha a certificação para fazê-lo, as imagens mostram que o que acontece é que “o funcionário com as pinças de atordoamento negligencia suas funções devido ao grande número de cordeiros que chegam”.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.