Chefe da Organização Meteorológica Mundial critica alarmistas do clima

“A ideia mais recente é que as crianças são uma coisa negativa. Estou preocupado com as jovens mães que já estão sob tanta pressão. Isso só aumentará seu fardo”
Por IVAN PENTCHOUKOV
09 de Septiembre de 2019
Actualizado: 09 de Septiembre de 2019

O chefe da Organização Meteorológica Mundial (OMM) repreendeu aos alarmistas do clima de uma forma nunca vista em uma entrevista publicada por uma revista finlandesa no dia 6 de setembro.

Petteri Taalas, secretário-geral da OMM, disse à revista Talouselämä que pedia uma abordagem calma e racional do debate climático e discordava daqueles que estão promovendo cenários de fim do mundo.

“Agora devemos permanecer calmos e ponderar qual é realmente a solução para esse problema”, disse Taalas à revista Talouselämä. “Não será o fim do mundo. O mundo está apenas se tornando mais desafiador. Em partes do globo, as condições de vida estão piorando, mas as pessoas sobreviveram em condições adversas”.

A OMM e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente criaram o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) em 1988. Desde então, o IPCC se tornou a instituição líder mundial a promover a teoria de que a atividade humana contribui para o aquecimento global.

Taalas disse que, embora o ceticismo da teoria da atividade humana tenha diminuído nos últimos anos, os cientistas climáticos estão sob crescente ataque de extremistas radicais do clima.

“Embora o ceticismo climático tenha se tornado menos problemático, agora estamos sendo desafiados pelo outro lado. Os especialistas em clima foram atacados por essas pessoas e afirmam que devemos ser muito mais radicais. Eles são desonestos e extremistas; eles fazem ameaças”, disse Taalas.

O chefe da OMM observou que a mídia em seu país está criando ansiedade adicional.

“A ideia mais recente é que as crianças são uma coisa negativa. Estou preocupado com as jovens mães que já estão sob tanta pressão. Isso só aumentará seu fardo”, disse Taalas.

Enquanto Talaas limitou seus exemplos ao debate climático na Finlândia, parte do extremismo a que ele se refere é semelhante à retórica empregada pelos alarmistas climáticos nos Estados Unidos. A representante socialista democrata Alexandria Ocasio-Cortez tornou-se a face desse movimento. A congressista de Nova Iorque promoveu regularmente a teoria de que o mundo terminará em 12 anos, a menos que os Estados Unidos tomem medidas radicais para eliminar as emissões de dióxido de carbono.

O co-fundador do Greenpeace, Patrick Moore, chamou as observações de Talaas de “a maior falha da narrativa alarmista dos últimos tempos”.

“Os meteorologistas são cientistas de verdade e provavelmente estão fartos dos catastrofistas de Greta, Mann, Gore e AOC. Muito bem.”, escreveu Moore no Twitter em7 de setembro. AOC é o acrônimo comumente usado para se referir a Ocasio-Cortez. Os três outros nomes mencionados na mensagem são Michael Mann, climatologista, Greta Thunberg, estudante sueca de 16 anos, e Al Gore, ex-vice-presidente.

Talaas apontou que os extremistas climáticos estão escolhendo seletivamente fatos dos relatórios do IPCC para se adequarem à sua narrativa. Por exemplo, Ocasio-Cortez e o movimento que ela representa geralmente se referem ao prazo de 12 anos para encerrar o uso de combustíveis fósseis. Essa linha do tempo de 12 anos foi selecionada seletivamente de um intervalo de 12 a 44 anos no relatório especial do IPCC, que afirma que “o aquecimento global provavelmente atingirá 1,5 ° C entre 2030 e 2052 se continuar aumentando na taxa atual”.

“Os relatórios do IPCC foram lidos de maneira semelhante à Bíblia: você tenta encontrar certas partes ou seções das quais tenta justificar suas opiniões extremas. Isso se assemelha ao extremismo religioso”, disse Taalas.

A grande maioria dos modelos climáticos que o IPCC usa como base para suas previsões previu temperaturas mais altas repetidamente e incorretamente. De acordo com uma análise do Instituto Cato, 105 dos 108 modelos previram uma temperatura superficial mais alta do que a temperatura realmente registrada no período entre 1998 e 2014.

Siga Ivan no Twitter: @ivanpentchoukov

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS