Cientistas morrem em explosão nuclear na Rússia após testarem ‘as armas mais avançadas’, diz Putin

O líder russo não revelou as armas envolvidas no acidente, mas disse que Moscou estava trabalhando para melhorá-las
Por JACK PHILLIPS
25 de Noviembre de 2019
Actualizado: 25 de Noviembre de 2019

Os cinco cientistas russos que morreram em uma explosão nuclear em agosto estavam trabalhando no desenvolvimento de uma arma avançada, segundo o presidente russo Vladimir Putin.

“Estamos falando das ideias e soluções técnicas mais avançadas e incomparáveis ​​sobre armas projetadas para garantir a soberania e a segurança da Rússia nas próximas décadas”, disse Putin a parentes das vítimas durante uma cerimônia em Moscou, informou o Moscow Times.

Os cinco cientistas “estavam fazendo o trabalho mais complexo, responsável e extremamente importante”, diz Putin.

A explosão foi seguida por um pico de radiação de 40 minutos em Severodvinsk, perto da rua Nyonoksa (Google Maps)
A explosão foi seguida por um pico de radiação de 40 minutos em Severodvinsk, perto da rua Nyonoksa (Google Maps)

“O fato de possuirmos essas tecnologias exclusivas é a garantia mais importante e confiável de paz no planeta hoje”, acrescentou.

O líder russo não revelou as armas envolvidas no acidente, mas disse que Moscou estava trabalhando para melhorá-las.

Desde agosto, tem havido muita especulação sobre o que causou a explosão nas instalações de testes de Nyonoksa, na região de Arkhangelsk.

Leia também:

Especialistas internacionais apontam que a explosão envolveu o míssil do crucífero nuclear intercontinental Burevestnik, conhecido como SSC-X-9 Skyfall para a OTAN, informou o New York Times e a BBC em agosto.

A explosão também foi seguida por um pico de radiação de 40 minutos na área, de acordo com o relatório.

Fontes de inteligência dos Estados Unidos disseram à CNBC que o incidente ocorreu durante uma tentativa de poupar um míssil perdido de outros problemas.

“Houve uma explosão em uma das bóias envolvidas na recuperação e que causou uma reação no núcleo atômico do míssil que levou à fuga da radiação”, disse uma fonte de comunicação em agosto.

O professor Mark Galeotti, analista russo líder do Royal United Services Institute, disse à BBC na época que a propulsão nuclear é um esforço difícil de alcançar.

A Rússia lançou um míssil balístico intercontinental de um novo submarino movido a energia nuclear, disse o Ministério da Defesa, descrevendo-o como bem-sucedido (Crédito: Ministério da Defesa da Rússia)
A Rússia lançou um míssil balístico intercontinental de um novo submarino movido a energia nuclear, disse o Ministério da Defesa, descrevendo-o como bem-sucedido (Crédito: Ministério da Defesa da Rússia)

“Há velocidade contra o peso do sistema e o risco de que o míssil carregue gases radioativos por onde quer que vá”, informou a BBC. “Esses novos sistemas têm sua origem na era soviética: foram removidos das prateleiras e sofreram alterações”.

Edwin Lyman, um especialista nuclear da Union of Concerned Scientists, twittou que uma variante de reator pode ter caído e ficado instável durante os testes.

“Se este relatório for necessário, a única maneira de ser consistente com os isótopos que foram detectados é através de uma situação crítica inesperada durante a recuperação. Isso pode ser possível, por exemplo, se uma haste de controle cair fora do núcleo enquanto o reator estiver submerso”, escreveu ele na época.

A Rússia testou quatro dos mísseis entre novembro de 2017 e fevereiro de 2018. Todos os testes resultaram em falha, disse o relatório da CNBC.

*********

Assista também:

Milagrosas histórias de um grupo de russos

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS