Cliente morre esperando julgamento do STF e advogada “parabeniza” Rosa Weber

Advogada criticou Supremo por falta de “efetividade”
Por Michael Caceres, Gospel Prime
01 de Octubre de 2019 9:32 AM Actualizado: 01 de Octubre de 2019 9:32 AM

Enquanto decisões que favorecem o crime organizado e enfraquecem o combate à corrupção são analisados em tempo recorde pelo Supremo Tribunal Federal (STF), pessoas comuns veem seus recursos na Corte trancados por anos.

É o que aconteceu com o cliente de uma advogada do Rio Grande do Sul, que faleceu aguardando por onze anos o julgamento de uma ação pelo Supremo.

“É com lástima que viemos aos autos juntar a cópia de atestado de óbito de Celmar Lopes Falcão, e dar-lhe os parabéns. Parabéns, Ministra, pela demora!”, ironizou a advogada.

Lílian Velleda Soares fez a critica ao STF em uma anotação de prestação de informações protocolada no Tribunal nesta quarta-feira (25), onde também lamentou a falta de efetividade.

“A sociedade está cansada de um Judiciário caríssimo e que, encastelado, desconsidera os que esperam pela ‘efetividade’ e pelo cumprimento das promessas constitucionais”, escreveu.

No texto endereçado à ministra Rosa Weber, que substituiu Ellen Gracie na relatoria do processo em 2011, quando ela se aposentou, a advogada afirma que a ministra encarna o “desprezo” do Judiciário “pelo outro” e informa ainda a singeleza do funeral.

“Informamos também que as pompas fúnebres foram singelas, sem as lagostas e os vinhos finos que os nossos impostos suportam”, em uma referência aos gastos exorbitantes, quando fez licitação de R$ 1,1 milhão para refeições servidas para a Corte.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.