Coreia do Norte faz 7º teste de mísseis em menos de 30 dias

Por EFE
23 de Agosto de 2019
Actualizado: 23 de Agosto de 2019

Seul, 24 ago (EFE).- A Coreia do Norte lançou, neste sábado (data local), dois mísseis ainda não identificados a partir da costa leste do país, o que representa o sétimo teste do tipo realizado pelo regime de Kim Jong-un em menos de 30 dias.

Segundo o Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul, os mísseis foram lançados em direção ao mar do Japão da província norte-coreana de Hamgyong do Sul. O órgão está analisando dados da operação, como a distância percorrida e a altitude máxima atingida, para determinar que tipo de armamento foi testado hoje pelo país vizinho.

A Coreia do Norte não lançava mísseis desde o último dia 16 deste mês. Nos últimos seis testes recentes, rodada que começou em 25 de julho, o regime de Kim usou novos projéteis balísticos de curto alcance.

Por meio da agência estatal “KCNA”, o governo da Coreia do Norte afirmou que nos últimos lançamentos testou uma plataforma de disparo múltiplo de foguetes teleguiados, que constituem um “novo tipo de arma tática”. E destacou que o movimento era uma “advertência” contra as manobras militares conjuntas entre Coreia do Sul e Estados Unidos.

Os diálogos sobre uma possível desnuclearização da Coreia do Norte estão travados desde a segunda cúpula entre Kim e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em Hanói, no Vietnã, em fevereiro deste ano.

Durante as últimas semanas, a Coreia do Norte reiterou às críticas a Seul e a Washington pelas manobras militares realizadas na região e afirmou que não tem intenção de retomar as negociações enquanto houver “ameaças militares” dos dois países.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS