Dallagnol vai ao Supremo pedir suspensão de advertência do CNMP

Procurador foi punido por manifestar opinião contra o Supremo
30 de Noviembre de 2019 6:36 PM Actualizado: 30 de Noviembre de 2019 6:36 PM

Por Michael Caceres, Gospel Prime

Responsável por comandar a Operação Lava Jato em Curitiba, que desmantelou o maior esquema de corrupção do país, o procurador Deltan Dallagnol vem sofrendo com a perseguição promovida por grupos poderosos com 17 processos no Conselho Nacional do Ministério Público.

Em um dos processos, que já foi julgado, o CNMP decidiu punir o procurador por emitir opinião pública contra o Supremo Tribunal Federal (STF), que vem sofrendo uma enorme rejeição popular nos últimos meses.

Agora, o procurador espera que o Supremo faça justiça e suspenda a punição aplicada contra ele pelo conselho, que em forma de advertência entendeu que houve infração por parte do membro do Ministério Público.

Leia também:
Mudança sobre 2ª instância não é catástrofe para Lava Jato, diz Fachin

O ministro Luiz Fux será responsável por analisar o pedido de Dallagnol, segundo informa a Crusoé. O procurador alega que a advertência fere seu direito de livre manifestação.

A punição se refere a uma entrevista à CBN, onde Dallagnol questionou decisões do STF, que, segundo sua avaliação, teriam beneficiado a corrupção no país.

O procurador sugeriu que os ministros Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski formavam uma “panelinha” na 2ª Turma do STF.

Esse foi apenas o primeiro processo que foi analisado, sendo que Deltan Dallagnol ainda é alvo de outros 16 processos no CNMP, que deverá avaliar sobre a situação do procurador que comanda a Lava Jato em Curitiba.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.