De Jong diz que daria prêmio de melhor do mundo a Messi antes de Van Dijk

Por EFE
02 de Octubre de 2019
Actualizado: 02 de Octubre de 2019

Roma, 2 out (EFE)- O meia Frenkie De Jong, do Barcelona, disse que Lionel Messi mereceu ter vencido o prêmio de melhor do mundo da Fifa, no último dia 23, e que também teria escolhido o argentino e não o zagueiro Virgil van Dijk, seu companheiro de seleção na Holanda.

“O meu favorito é Messi. Sempre foi o melhor e, pelo que pude ver, é o melhor de todos os tempos. Van Dijk teve uma temporada fantástica, é um grande jogador e uma grande pessoa, mas para mim Messi é o top e sempre lhe escolheria para o prêmio de melhor do mundo” afirmou De Jong em entrevista publicada nesta quarta-feira pelo jornal italiano “Gazzetta dello Sport”.

O meia, que chegou ao Barcelona em julho, afirmou que está à vontade na nova casa e revelou que gostaria que o clube catalão tivesse contratado o zagueiro Matthijs De Ligt, seu companheiro no Ajax e na seleção holandesa. Entretanto, o defensor optou por ir para a Juventus.

“Óbvio que me teria ficado feliz que ele tivesse vindo para cá, mas nunca falei nada com ele a respeito. Era uma decisão dele. Escolheu a Juventus, e acho que fez bem, porque é um dos maiores clubes da Europa”, opinou.

O camisa 21 do Barcelona também expressou a sua admiração pelo jovem meia-atacante Ansu Fati, sensação absoluta do começo de temporada dos ‘Blaugranas’, que marcou dois gols pelo Campeonato Espanhol com apenas 16 anos.

“Não o conhecia, mas é um jogador especial. Aos 16 anos, joga no time principal do Barcelona. Não é algo comum. Tem um grande talento, mas o que mais me impactou é o seu profissionalismo. Eu com 16 anos era um jogador normal, ele já parece um profissional completo”, elogiou.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS