Déficit comercial com boa recuperação: ‘Linha dura de Trump na China está funcionando’, diz especialista

Por Tom Ozimek, Epoch Times
08 de Enero de 2020
Actualizado: 08 de Enero de 2020

O déficit comercial do país caiu em novembro o ponto mais baixo em mais de três anos, sugerindo que a agenda do governo Trump de recalibrar os fluxos internacionais de bens e serviços está causando impacto.

A queda foi de 8,2%, para 43,1 bilhões de dólares, o mais baixo desde outubro de 2016, informou o Departamento de Comércio nesta terça-feira, sete de janeiro (pdf).

“A partir dos números desta manhã, o déficit comercial total dos EUA está caminhando para seu primeiro declínio anual desde 2013, quando o crescimento nos EUA foi muito menor do que é provável para este ano”, disse o especialista em comércio Alan Tonelson ao Epoch Times.

Leia também:
China atinge recorde de importação de petróleo, enquanto crise no Irã arrisca segurança energética

O déficit comercial com a China, que é o foco da agenda “America First” da Casa Branca, caiu 15,7%, para US$ 26,4 bilhões, com as importações caindo 9,2% e as exportações saltando 13,7%.

Tonelson argumentou que os números do comércio de hoje, que correspondem aos fluxos de bens e serviços de novembro, “mostram que a linha dura de Trump para a China está funcionando”. Ele instou o governo a manter sua pressão sobre a disputa comercial e a tomar medidas adicionais para desacoplar as economias dos dois países.

“Desacoplar a economia dos EUA da economia da China é crucial para a prosperidade americana, porque a política anterior a Trump de expandir o comércio e comercializar com a República Popular [China] foi uma perda líquida para a economia americana”, disse Tonelson. “E é crucial para a segurança nacional dos Estados Unidos. porque as políticas pré-Trump transferiram imprudentemente muitos recursos e tecnologias relacionados à defesa para uma China cada vez mais hostil e agressiva.”

Os números do Departamento de Comércio também mostram que a diferença no comércio de mercadorias com a União Europeia caiu 20,2%, para US$ 13,1 bilhões.

Embora Washington e Pequim tenham chegado a um acordo comercial de “Fase 1” em dezembro, a incerteza persiste sobre os detalhes do acordo. Trump disse na terça-feira passada que o acordo parcial será assinado em 15 de janeiro na Casa Branca.

Embora a guerra comercial de 18 meses de duração entre os Estados Unidos e a China tenha sido amplamente relatada como um freio ao investimento comercial, os novos números do Departamento de Comércio mostram um leve aumento nas despesas de capital.

“Graças aos novos números finais em novembro, os gastos de capital nos EUA foram positivos novamente ano após ano”, disse Tonelson. “O aumento é de apenas 0,4%, mas a melhoria mensal foi a segunda consecutiva e a oitava deste ano, apesar de toda a incerteza da guerra comercial”.

O mercado financeiro dos EUA se movimentou pouco por causa da queda no déficit comercial, o que foi apontado em um relatório publicado na semana passada.

Trump fez da redução do déficit comercial uma prioridade de seu governo.

Os economistas esperam que o comércio adicione pelo menos 1,5 ponto percentual ao crescimento do PIB no quarto trimestre, depois de ter sido um fardo por dois trimestres consecutivos.

O Federal Reserve de Atlanta prevê um aumento no PIB a uma taxa anual de 2,3% no quarto trimestre. A economia cresceu a uma taxa de 2,1% no terceiro trimestre.

Com informações da Agência Reuters

Siga Tom no Twitter: @OZImekTOM

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS