Denúncia de peculato contra Collor é arquivada por Fachin no STF

Acusação envolvia R$ 240 milhões em contratos da BR Distribuidora com aliado do senador
Por Diário do Poder
03 de Septiembre de 2019 8:52 AM Actualizado: 03 de Septiembre de 2019 8:52 AM

Foi arquivada no Supremo Tribunal Federal (STF) a denúncia que acusava o senador Fernando Collor de Mello (Pros-AL) de crime de peculato, envolvendo R$ 240 milhões em contratos da BR Distribuidora com o ex-deputado federal alagoano, João Lyra. O ministro Luiz Edson Fachin arquivou o caso investigado a partir da Operação Lava Jato, porque houve prescrição, quando o senador completou 70 anos e o tempo máximo para punição pela irregularidade foi atingido, em 12 de agosto.

Em maio, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou o parlamentar licenciado pela acusação de atuar, após as enchentes de 2010, para que a BR Distribuidora firmasse os contratos milionários com a empresa Laginha Agro Industrial, de propriedade do ex-deputado federal João Lyra, com quem Collor mantém relações políticas, de amizade e familiares e era filiado ao mesmo partido, o PTB.

Em julho de 2010, a enchente no Rio Mundaú destruiu praticamente toda a Usina Laginha, de João Lyra, em União dos Palmares (AL).

A defesa de Collor defendeu que a lei estabelece que, quando o réu completa 70 anos, o tempo de prescrição cai pela metade. Como o suposto crime ocorreu em 2010, com base na pena máxima para peculato, a prescrição ocorreria 16 anos depois, em 2026. Mas, com Collor com 70 anos completos, não poderia mais ser punido desde 2018.

A Procuradoria Geral da República (PGR) concordou com a defesa. E Fachin afirmou que, embora o Ministério Público tenha se convencido de que houve crime, a lei impede a punição em razão do tempo decorrido do fato.

“Como a última conduta imputada ao acusado teria ocorrido em 5/10/2010, e diante do enquadramento abstrato feito pela titular da ação penal, forçoso admitir que a pretensão punitiva estatal encontra-se, inevitavelmente, fulminada pela prescrição desde 4.10.2018 (…), anotando-se que, embora as investigações tenham sido deflagradas nesta Corte em 11/11/2015, o ajuizamento da denúncia apenas ocorreu em 29/5/2019”, destacou Fachin.

Collor segue réu em uma ação penal e é investigado em mais um inquérito no âmbito da Lava Jato. O ex-presidente da República chegou a responder a sete procedimentos no STF, mas três foram arquivados e outros dois foram anexados à ação penal na qual ele é réu.

Com informações do G1

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.