Deputada comunista faz acusações falsas contra ministro da Educação (Vídeo)

Uma CPMI criada sob a alegação de proteger o povo contra as Fake News, persegue cidadãos comuns e blinda a verdadeira produtora de mentiras: a imprensa
Por Carlos de Freitas, Senso Incomum
16 de Diciembre de 2019 12:53 PM Actualizado: 16 de Diciembre de 2019 12:54 PM

Em mais um show de horror dos congressistas, a deputada comunista Alice Portugal fez acusações fortes e falsas contra o ministro da Educação, Abraham Weintraub. Alice, histérica, como todo esquerdista radical, fez insinuações de que o ministro estaria em briga judicial com o pai e a mãe para ficar com a herança deles.

Com uma linha de raciocínio digna de um marsupial embriagado, Alicinha diz que vai ler uma notícia do Estadão e depois lê uma da Folha.

Emocionado, Weintraub desmentiu a deputada. Disse que seu pai ainda está vivo, o que impediria um processo por herança e que a mãe morrera há muito tempo. Pega no pulo, Lili tentou se defender dizendo que havia apenas lido uma matéria da imprensa.

Leia também:
Jornal Nacional e a maior fake news do ano

A trapalhada acabou revelando coisas interessantes: a sórdida campanha de assassinato de reputações feita por uma imprensa produtora de Fake News em larga escala, que se coloca acima da verdade, protegida por gente muito poderosa.

Enquanto isso, uma CPMI criada sob a alegação de proteger o povo contra as mesmas Fake News, persegue cidadãos comuns e blinda a verdadeira produtora de mentiras: a imprensa.

Carlos de Freitas é redator e escritor. Diretor do núcleo de projetos culturais da Panela Produtora e editor do Portal Senso Incomum. Twitter: @CFreitasR

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não representa necessariamente a opinião do Epoch Times

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.