Deputado entrega cigarro de maconha à secretária de governo de López Obrador ‘para construir a paz’

Por ANASTASIA GUBIN - Epoch Times
10 de Octubre de 2019 Actualizado: 19 de Octubre de 2019

Um deputado mexicano entregou um cigarro de maconha  à secretária do governo de Andrés Manuel López Obrador, a senadora Olga Sánchez Cordero, insinuando que “esse será o caminho que nos ajudará a construir a paz”, em referência à legalização das drogas no país.

Os eventos relatados nesta semana ocorreram quando a deputada Ana Lucía Riojas Martínez apareceu na câmara baixa em 9 de outubro.

“Um passo para construir a paz é legalizar o uso de drogas, uma proposta que você mesmo fez. Portanto, nada mais para encerrar esta intervenção, trago-lhe um presente como lembrete da proposta que você fez no início”, disse ele se dirigindo à senadora. Durante a entrega do presente, os dois se abraçaram.

O deputado Riojas é um dos 9 secretários da Comissão para a Juventude e a Diversidade Sexual desde 17 de outubro de 2018, que inclui jovens e população LGBT no trabalho legislativo. Também se manifesta abertamente a favor do aborto.

A jovem deputada é formada em Comunicação e por sete anos foi baterista da banda de rock Piluso até 2017, ano em que aspirou à candidatura de chefe de governo; no entanto, não conseguiu coletar 75.000 assinaturas necessárias para formalizar seu registro. Milita sem um partido para o círculo eleitoral 4 da Cidade do México.

Os senadors Sánchez Cordero e Ricardo Monreal Ávila, apresentaram em 8 de novembro de 2018 o “projeto de decreto que emite a Lei Geral de Regulação e Controle da Cannabis”. O documento foi apresentado “com o aval do Grupo Parlamentar Morena”, o movimento político de esquerda criado em 2011 por López Obrador.

A lei visa criar “o Instituto Mexicano de Regulação e Controle da Cannabis, como um órgão público descentralizado do Ministério da Saúde”.

Isso visa favorecer e regular “o plantio, cultivo, colheita, produção, transformação, rotulagem, embalagem, promoção, publicidade, patrocínio, transporte, distribuição, venda, comercialização, portabilidade e consumo de cannabis e seus derivados”, ambos “para fins pessoais, científicos e comerciais ”.

A secretária do Interior do México, Olga Sánchez Cordero, na Cidade do México em 4 de junho de 2019 (OMAR TORRES / AFP / Getty Images)

Por sua parte, López Obrador em seu Plano Nacional de Desenvolvimento 2019-2024, propôs em 30 de abril ir além da descriminalização da maconha. “A alternativa é que o Estado renuncie à reivindicação de combater vícios, banindo as substâncias que os geram e se dedique a manter os que já sofrem deles sob controle por meio de acompanhamento clínico e fornecimento de doses prescritas”.

Segundo o presidente, “a única possibilidade real de reduzir os níveis de uso de drogas é suspender a proibição daqueles que atualmente são ilegais”.

“Isso deve ser feito de maneira negociada, tanto no relacionamento bilateral com os Estados Unidos quanto na esfera multilateral, dentro da ONU”, acrescentou.

Em 3 de outubro, o coordenador da bancada parlamentar Morena, Mario Delgado, confirmou a iniciativa do governo argumentando possíveis ganhos em milhões de dólares com as vendas e impostos sobre elas, tanto da maconha como de seus derivados, de acordo com El Universal.

Em vez disso, o representante da Comissão Mexicana de Direitos Humanos, Salvador Abascal, disse que pediu ao Secretário do Governo que evitasse a nova lei, já que o uso recreativo da maconha é uma ideia prejudicial para a sociedade e que as proteções a seu favor não determinam que essa droga não seja prejudicial, informou o El Economista em 1º de agosto.

A União Nacional dos Pais (UNPF) também expressou sua reivindicação.

“O Supremo Tribunal de Justiça da Nação está encaminhado e a maioria dos ministros é a favor de conceder os amparos a favor do uso recreativo da maconha, que na realidade não é algo recreativo, mas contra a saúde”, disse o UNPF , de acordo com El Economista.

Um estudo recente revelou que a maconha é pior para o cérebro que o álcool e, em adolescentes, tem um efeito a longo prazo. É um dos inúmeros estudos que alertam sobre seus efeitos nocivos.

“Ao usar maconha regularmente, elas podem sofrer repercussões duradouras na capacidade de pensar, na memória, no controle da situação e no raciocínio”, disseram os pesquisadores.

Por outro lado, os efeitos de derivados, como compostos psicoativos na maconha, são presumivelmente devastadores. Embora os efeitos do uso de maconha estejam geralmente ocultos entre os de outras drogas, os Estados Unidos registraram oficialmente uma morte por overdose de THC, o mais usado em termos de maconha psicoativa. O consumo de THC também foi associado à epidemia mortal de falha respiratória nos EUA causada por vaping.

TE RECOMENDAMOS