“Ditadura de Cuba”: para povo cubano não há combustível, para diplomatas e ministros sim

Por JULIAN BERTONE
25 de Septiembre de 2019 8:30 AM Actualizado: 25 de Septiembre de 2019 8:42 AM

Atualmente, ninguém em Cuba consegue gasolina, o baixo suprimento de petróleo da ilha mergulhou seu povo em rígidos controles de energia e economia, mas as autoridades do regime podem encher o tanque, se quiserem.

Um cubano gravou com seu celular um vídeo de “uma cena comum” da vida cotidiana na ilha. Ele foi comprar gasolina em um posto e, como esperado, a funcionária gentilmente lhe disse que não havia.

O cliente, no entanto, viu que outras pessoas tinham acesso ao combustível e perguntou à uma funcionária: “Bem, aqui há gasolina ou não há gasolina?”

“Não é que não haja gasolina, em Cuba há gasolina”, explicou a funcionária, “mas a gasolina que existe aqui é para diplomatas, ministros e alguns com uma carta do governo, para os cubanos não há gasolina”.

“E se eu não trouxer uma carta, não posso?”, Perguntou o homem pela última vez. “Tem que vir com uma carta, se não você não pode comprar. Tem que ser uma carta que vem de lá”, respondeu a mulher.

“Do maior para o menor, meu irmão”, diz o cubano enquanto caminha de volta para o carro estacionado. “Lá eles têm provas de que há gasolina”.

O cliente divulgou o vídeo nas redes sociais e ele se tornou viral.

“É isso mesmo”, disse um usuário do Twitter que compartilhou o vídeo. “Isso nada mais é do que um pouco mais do que vivemos durante esses 60 anos de revolução”, escreveu ele acompanhando a publicação.

Outro comentou: “Nós sabíamos … Muito antes de você dizer isso. Só os quatro filhos de [palavrões] ‘cima’ têm direito à vida”.

Diante da crise energética, outras “zombarias da ditadura”, como alguns internautas chamam este tipo de incidente, foram os incentivos das autoridades comunistas cubanas para que a população use mais a “tração animal”, recorrendo a cavalos, bois e outros animais para transporte.

Na quinta-feira passada, José Ramón Machado Ventura, do Partido Comunista de Cuba (PCC, único partido legal) e mão direita do ex-ditador e líder do partido Raúl Castro, “defendeu a variante insustentável da tração animal” para garantir a produção agrícola e aliviar os efeitos do déficit de energia, segundo o jornal estadual Granma.

Isso foi dito pelo líder político ao visitar a província de Cienfuegos, referindo-se especificamente ao uso de bois e cavalos – com seus respectivos “carros” – para transportar trabalhadores e remessas de produtos agrícolas locais, Além de usar menos fertilizantes para economizar os recursos envolvidos em sua aplicação.

Foto de arquivo de 13 de junho de 2018 mostrando um cavalo carregando uma carroça, em Baracoa (Cuba). (EFE / Ernesto Mastrascusa / FILE)
Foto de arquivo de 13 de junho de 2018 mostrando um cavalo empurrando uma carroça, em Baracoa (Cuba) (EFE / Ernesto Mastrascusa / FILE)

Enquanto isso, o atual ditador Miguel Díaz-Canel elogiou as “experiências positivas, como o uso de meios de tração animal em diferentes atividades”, segundo a agência estatal ACN.

Assim, o termo “tração animal” tem sido amplamente ouvido da boca dos políticos cubanos e repetido pela imprensa oficial na tentativa de promover a economia de combustível que no momento não é suficiente para todos, mas somente para alguns.

Mesmo com a crise, o neto do falecido ditador Fidel Castro postou uma foto instantânea em sua conta no Instagram mostrando que o tanque de combustível de seu carro estava cheio.

“Graças a Deus”, escreveu Sandro Castro acompanhando a imagem que contrasta com a realidade da maioria dos cubanos.

“Sandro Castro, neto de Fidel Castro, agradece a Deus pela possibilidade de encher o tanque de seu carro com gasolina, enquanto o resto do país está paralisado pela falta de combustível”, escreveu um usuário do Twitter que compartilhou a imagem.

“Não são ateus?”, Comenta um terço da publicação, vendo que Castro agradece a Deus quando se sabe que o comunismo e seus líderes promovem o ateísmo.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.