Díaz-Canel, Maduro e Ortega abrem cúpula que celebra 15 anos da Alba

Por efe
14 de Diciembre de 2019
Actualizado: 14 de Diciembre de 2019

Havana, 14 dez – Os presidentes de Cuba, Miguel Díaz-Canel; da Venezuela, Nicolás Maduro; e da Nicarágua, Daniel Ortega, abriram neste sábado, em Havana, a 18ª Cúpula da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (Alba), que comemora 15 anos, mas enfraquecida pelas saídas de Equador e Bolívia.

A complicada situação na região e as perspectivas da Alba nesta nova conjuntura serão os principais pontos da reunião.

“Incentivo vocês a avaliarem as propostas como um todo para aproveitarem nossas capacidades e pontos fortes. Devemos enfatizar a Alba como uma plataforma de coordenação política em defesa da independência, paz e integração através de solidariedade e cooperação”, disse Díaz-Canel no discurso de abertura.

O líder cubano deu início ao diálogo, que Maduro abriu saudando os presentes, entre eles o secretário-executivo da Alba, o ex-ministro das Relações Exteriores da Bolívia, David Choquehuanca, e o recém-eleito primeiro-ministro de Dominica, Roosevelt Skerrit.

Díaz-Canel também lembrou “o primeiro abraço” entre o falecido Hugo Chávez e Fidel Castro há 25 anos em Havana, e a influência deles na criação do mecanismo regional.

Após o debate, realizado a portas fechadas, os participantes aprovarão uma declaração final e participarão da cerimônia oficial de encerramento na Universidade de Havana, prevista para as 19h (21h em Brasília).

A Alba reúne, juntamente com Venezuela e Cuba, Antígua e Barbuda, Dominica, Nicarágua, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Granada e São Cristóvão e Nevis.

O Equador se retirou no ano passado porque o governo do atual presidente, Lenín Moreno, não apoia a posição da Alba em relação à crise na Venezuela e aos protestos na Nicarágua. A Bolívia fez o mesmo há um mês, por decisão do governo interino que assumiu o poder após a renúncia de Evo Morales.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS