Diosdado Cabello diz que ‘Argentina verá de que lado se encaixa’ e pede a chavistas que sigam o regime

“O governo argentino lamenta profundamente os episódios registrados na República Bolivariana da Venezuela"
Por Anastasia Gubin, Epoch Times
07 de Enero de 2020
Actualizado: 07 de Enero de 2020

Diosdado Cabello, nomeado presidente da Assembleia Nacional Constituinte chavista (ANC), criticou o governo argentino por ter se pronunciado contra o bloqueio realizado em 5 de janeiro pelo regime de Nicolás Maduro no Parlamento, com o objetivo de que os deputados da oposição não participassem da votação.

“Peço aos chavistas que ninguém aqui seja desmoralizado. O embaixador da Argentina disse uma ‘guaidódiotez'”, disse o presidente da ANC durante o programa El Mazo Dando, em 6 de janeiro. A ANC é uma instituição considerada ilegítima e inconstitucional criada por Maduro em 2017 para substituir a Assembleia Nacional (AN) eleita pelo povo da Venezuela no final de 2015 com maioria de oposição ao chavismo.

“Estamos aqui e não precisamos nem da Argentina nem de seu ministro das Relações Exteriores. Eles verão o que fazem, onde na história estão acomodados, se estão acomodados para defender os povos ou se estão acomodados no lado em que são arrastados para o imperialismo”, disse Cabello.

Leia também:
Diosdado Cabello: “A esquerda bolivariana ressurgiu” na América Latina

Em 5 de janeiro, o presidente Juan Guaidó ficou do lado de fora do Parlamento com o restante dos deputados barrados na entrada. Ele teve que se reunir em um escritório próximo para votar a nova diretiva do Poder Legislativo. Dentro do Parlamento havia membros chavistas e ex-membros da oposição que se aliaram à ditadura e fizeram sua própria votação.

A nova diretiva da AN durará um ano, tempo em que deverão ser organizadas as próximas eleições do Poder Legislativo que ocorrerão em 5 de janeiro de 2021. Os deputados da oposição votaram pela reeleição do atual presidente da AN, Juan Guaidó, com um quorum legal de 100 votos, reconhecido pela Organização dos Estados Americanos (OEA), que também fez críticas ao regime.

“A Secretaria-Geral da OEA reitera seu repúdio à tentativa fraudulenta, através do uso de violência e intimidação, pela qual neste dia se tentou privar Juan Guaidó de sua qualidade de presidente encarregado da Venezuela e presidente da Assembleia Nacional do país ”, afirmou a OEA em 5 de janeiro.

Sem reconhecer a vontade da maioria parlamentar, Cabello argumentou ontem que apenas aqueles que seguem o chavismo vão “defender nossa pátria, a soberania da independência”.

Repúdio da Argentina

O governo argentino condenou em 6 de janeiro, por meio de um comunicado emitido pelo Ministério das Relações Exteriores, chefiado pelo ministro Felipe Solá, o atropelo do regime de Maduro contra deputados venezuelanos e membros do corpo diplomático presentes no dia da votação.

“O governo argentino lamenta profundamente os episódios registrados na República Bolivariana da Venezuela. Os atos de assédio sofridos por deputados, jornalistas e membros do corpo diplomático no momento em que tentavam entrar nas instalações da Assembleia Nacional para eleger as novas autoridades de seu conselho de administração, são inadmissíveis para a convivência democrática”, afirmou a chancelaria.

“A proteção da independência dos poderes e da imunidade dos parlamentares são condições indispensáveis ​​para o funcionamento normal do sistema democrático”, acrescenta.

Enquanto a ditadura de Nicolás Maduro bloqueava a passagem dos parlamentares da oposição, dentro do Parlamento a bancada chavista organizou uma votação sem quórum de uma nova diretiva e proclamou Luis Parra como o novo presidente do Parlamento.

Cabello compartilhou vídeos nos quais o presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, teria supostamente se recusado a entrar no Parlamento se a Guarda não permitisse a entrada dos demais deputados barrados. O regime de Maduro sugere a seus seguidores que foi por iniciativa própria de Guaidó permaneceu do lado de fora, e que por essa razão a votação foi realizada.

O senador norte-americano Marco Rubió compartilhou o vídeo da televisão estatal venezuelana, onde um parlamentar aliado de Maduro faz as seguintes declarações sobre Guaidó, para justificar a votação sem quórum: “Ele não tinha os votos necessários para ser reeleito e diante dessa situação, ele se recusou a abrir a sessão plenária de hoje que pretendia eleger o novo conselho de administração.”

“Bem, diante da situação em que o deputado Guaidó tinha que estar presente às 11 da manhã e não chegava nunca e já eram 12, e depois uma hora, e ainda não havia chegado, e quando chegou não quis entrar porque aqui não havia votos suficientes para se eleger, portanto, quem iria ganhar era a outra bancada da oposição que é presidida pelo deputado da Primeira Justiça, José Parra. Aplicamos por analogia o regulamento interno do debate que estabelece que o deputado mais velho, neste caso o professor Hector Aguero, deveria iniciar a sessão. A votação se fez separadamente e venceu o deputado Luis Parra”, afirmou.

O senador Rubio questionou em seu Twitter os seguidores de Maduro. “Essas pessoas são realmente #Maduro (,,,)? Afirmando que foram adiante com a falsa eleição da Assembleia Nacional porque @jguaido estava atrasado?”.

“Todo mundo está assistindo aos vídeos das tropas (a Guarda Nacional Bolivariana aliada a Nicolás Maduro) bloqueando fisicamente a entrada de Guaidó”, escreveu Rubio.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS