Dissidente das Farc anuncia “nova etapa” de luta armada

Por EFE
29 de Agosto de 2019
Actualizado: 29 de Agosto de 2019

Bogotá, 29 ago (EFE)- O antigo “número 2” das Farc, conhecido como “Iván Márquez”, cujo paradeiro segue desconhecido há mais de um ano, reapareceu nesta quinta-feira em um vídeo junto com outros ex-líderes da guerrilha para anunciar o início de “uma nova etapa da luta (armada)”.

“Anunciamos ao mundo que começou a segunda Marquetalia (local na Colômbia onde há mais de 50 anos nasceram as Farc) sob o amparo do direito universal que assiste a todos os povos do mundo de pegar em armas contra a opressão”, afirmou Márquez no vídeo divulgado pela internet, no qual aparece ao lado de 20 homens e mulheres armados com fuzis.

Entre os que o acompanham é possível ver Seuxis Paucias Hernández, conhecido como “Jesús Santrich”, e Hernán Darío Velásquez, conhecido como “El Paisa”, que há meses deixaram de cumprir os compromissos com a Justiça Especial para a Paz (JEP).

“Nunca fomos vencidos nem derrotados ideologicamente. Por isso, a luta continua. A história registrará nas suas páginas que fomos obrigados a retomar as armas”, declarou em parte do manifesto lido durante o vídeo, datado de 29 de agosto de 2019 e com duração de 32 minutos.

Na gravação, o líder guerrilheiro diz que fala de algum ponto na região do rio Inírida, situado na região amazônica do sudeste do país, perto das fronteiras com Venezuela e Brasil.

Márquez foi chefe da equipe negociadora das Farc nos diálogos de paz de Havana e nomeado senador pelo partido da antiga guerrilha, cargo que não chegou a assumir porque em meados de abril de 2018 se transferiu para um espaço de reunião de ex-combatentes em Miravalle, no departamento de Caquetá, no sul do país, onde foi visto pela última vez na companhia de El Paisa.

O dissidente, que no vídeo aparece vestido de verde militar e com uma pistola na cintura, explica que a decisão de voltar às armas “é a continuação da luta guerrilheira em resposta à traição do Estado ao acordo de paz de Havana” e anuncia que buscará alianças com a guerrilha do Exército de Libertação Nacional (ELN).

“Buscaremos coordenar esforços com a guerrilha do ELN e com os companheiros e companheiras que não pregaram as suas bandeiras que hasteiam pátria para todos”, detalha.

Na clandestinidade, Márquez já tinha criticado várias vezes o abandono das armas por parte das Farc, iniciativa que classificou como “erro”.

No manifesto lido, Márquez diz que essa insurgência, que leva o nome e símbolos das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), não tem como alvos soldados nem policiais “respeitosos dos interesses populares”, e sim “essa oligarquia excludente e corrupta, mafiosa e violenta que acredita que pode continuar trancando a porta do futuro de um país”.

“O Estado conhecerá uma nova modalidade operacional. Só responderemos à ofensiva”, argumentou.

O grupo promete o “desmarque total das retenções com fins econômicos”, em uma aparente referência aos sequestros, e explica que promoverá “o diálogo com empresários, criadores de gado, comerciantes e pessoas poderosas do país para buscar por essa via a sua contribuição ao progresso das comunidades rurais e urbanas”.

Márquez acrescenta que, desde a assinatura da paz, em novembro de 2016, “e do desarmamento ingênuo da guerrilha em troca de nada”, não se detém o massacre de líderes sociais e de ex-guerrilheiros. Além disso, culpa o Estado por não cumprir o que foi combinado.

“Em dois anos, mais de 500 líderes do movimento social foram assassinados, e já somam 150 os guerrilheiros mortos em meio à indiferença e à indolência de um Estado. Tudo isto, a armadilha, a traição e a perfídia, a modificação unilateral do texto do acordo, o descumprimento dos compromissos por parte do Estado, nos obrigaram a retornar”, expressou.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS