Ditadores socialistas convocam reascensão da esquerda na América Latina

Por Lorena Cantó - EFE
04 de Noviembre de 2019
Actualizado: 04 de Noviembre de 2019

Havana, 3 nov – Os ditadores de Cuba, Miguel Díaz-Canel e Venezuela, Nicolás Maduro, convocaram neste domingo a esquerda latino-americana para enfrentar de forma unida o imperialismo, aproveitando o enfraquecimento da direita na região e o retorno dos governos progressistas à Argentina e ao México.

Ambos discursaram no encerramento do “Encontro Anti-imperialista de Solidariedade, pela Democracia e contra o Neoliberalismo”, que começou na sexta-feira, em Havana, com a participação de cerca de 1.200 representantes de organizações sociais e partidos políticos de esquerda de diversos países.

Maduro, cuja presença em Cuba não havia sido anunciada, disse em discurso que “uma nova situação geopolítica começa a tomar forma na região”, uma “nova onda anti-neoliberal que terá espaço no futuro”.

Na opinião do governante venezuelano, a “frente progressista” formada pelo governo mexicano, com Andrés Manuel López Obrador, e o futuro governo da Argentina após a vitória do peronista Alberto Fernández desempenharão “um papel fundamental” nos próximos anos na articulação da América Latina.

Além disso, acrescentou a “frente do povo na rua”, em referência aos recentes protestos populares no Chile, no Equador e no Peru, onde, segundo Maduro, a população “abrirá o caminho”.

LIVRAR-SE DA CULPA

“O governo dos Estados Unidos, estúpido como é, e os imbecis da direita que governam em alguns países dizem que o que está acontecendo na América Latina é culpa do Foro de São Paulo, de Maduro e de Raúl (Castro). Eles tentam nos dividir para que não possamos nos ver e encontrar nosso caminho, mas são os povos que podem articular a união”, argumentou o presidente venezuelano.

O governante cubano também pediu união regional e solidariedade diante dos ataques dos EUA contra Venezuela e Cuba.

“Com Raúl e Maduro, estamos dando duro nos ‘Yankees’. Projetos comuns podem ser construídos diante da agressão imperialista e seus aliados oligárquicos”, frisou Díaz-Canel diante de uma audiência que incluía o seu antecessor e ainda líder do Partido Comunista de Cuba, Raúl Castro.

Díaz-Canel mencionou “as recentes vitórias da esquerda na Bolívia e na Argentina, a resistência heroica da Venezuela e de Cuba ao cerco econômico total e os protestos anticoloniais que frearam as receitas do mercado”, para então enfatizar: “eles não podem nos desmobilizar novamente”.

“Os setores progressistas estão conscientes da urgência da união se quisermos realmente construir juntos um projeto emancipatório anti-imperialista, comprometido com uma integração genuína e muitas vezes postergada”, acrescentou.

O CERCO DOS EUA

Os presidentes de Venezuela e Cuba também denunciaram, mais uma vez, a perseguição de seus governos pelos Estados Unidos, sobre a qual Washington tem aumentado a pressão com novas sanções, que no caso da ilha se devem ao suposto apoio militar e logístico a Maduro.

“Somos acusados de sustentar a Revolução Bolivariana, em uma versão desatualizada da teoria dos satélites que na época desencadeou contra a ex-URSS, e apelamos a esse pretexto para justificar o bloqueio”, disse Díaz-Canel.

Na visão do mandatário cubano, “Trump e sua corte de velhos falcões atacam a Revolução Cubana, a Revolução Bolivariana, o Foro de São Paulo, o sandinismo, as lideranças políticas da esquerda brasileira, os movimentos bolivianos, argentinos e sociais, movimentos populares e progressistas de toda a região”.

“No século XXI, ameaças e agressões de vários graus de intensidade recaem sobre todos os governos soberanos que se recusam a servir o poder hegemônico para instalar bases militares, desistir de seus recursos ou ceder a seu mandato”, analisou.

Como Maduro já havia feito antes, o presidente cubano descreveu como “mentiras colossais” as acusações de que Cuba e Venezuela “promovem revoltas populares em qualquer canto do planeta”.

Maduro afirmou que que continua de pé “graças a uma legitimidade conquistada e a uma força popular indestrutível”, apesar de ter sido acusado de ser um ditador.

“Somos perseguidos e acusados de tudo para justificar qualquer coisa. Um golpe de Estado, uma invasão, um assassinato, tudo foi tentado, e eles não conseguiram. Eles têm medo de nós. Por que tanta campanha, por que tanto medo, tanta manipulação e mentiras?”, perguntou.

O presidente venezuelano também disse que o chavismo vencerá as eleições legislativas previstas para o ano que vem, e até prometeu “é assim que será”.

No fórum encerrado neste domingo pelos dois presidentes, juntamente com Raúl Castro, foi aprovado um plano de ação para fortalecer a ação das “forças progressistas e de esquerda” que inclui uma estratégia de comunicação através de redes sociais e ações concretas de apoio a Cuba.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS