Ernesto Araújo diz que Bachelet está mal informada e teme redução da esquerda

Ministro disse que esquerda é que encolhe por ter gerado corrupção e pobreza
Por Davi Soares, Diário do Poder
05 de Septiembre de 2019
Actualizado: 05 de Septiembre de 2019

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, reagiu no Twitter às críticas feitas pela ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet, ao que chamou de “redução da democracia no Brasil”, no governo de Jair Bolsonaro (PSL). O chanceler brasileiro disse que a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos “está muito mal informada” e “preocupada com o encolhimento da esquerda no Brasil, após herança de corrupção e pobreza.

“Michelle Bachelet disse que ‘O espaço democrático no Brasil está encolhendo’. Está muito mal informada. Qualquer observador atento sabe que o Brasil vive uma democracia plena e que os brasileiros hoje se engajam na política como nunca antes. O que está encolhendo é o espaço da esquerda. Talvez seja isso o que no fundo a preocupa. Está encolhendo porque cada vez menos brasileiros acreditam numa ideologia que só nos deu corrupção e pobreza. Já o espaço da liberdade, do desenvolvimento e da segurança está aumentando”, disse Ernesto Araújo.

O chanceler também criticou a abordagem de Bachelet aos Direitos Humanos: “Lembrando que os policiais e agentes da lei, cuja ação a Alta Comissária parece desprezar, são também grandes defensores dos direitos humanos. Arriscam a própria vida para defender a segurança e o direito à vida dos seus concidadãos, o mais fundamental de todos os direitos”, concluiu.

Em coletiva em Genebra, Bachelet afirmou que o que chamou de redução do espaço cívico e democrático no Brasil teria se caracterizado pelo que chamou de ataques contra defensores dos direitos humanos, meio ambiente e restrições impostas ao trabalho da sociedade civil.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS