“Eu deitei sobre o bebê”, foi a trágica revelação de uma mãe bêbada que matou sua filha de quatro meses

"Dormir com bebês em sofás é considerado inseguro, pois pode causar a morte de várias maneiras, incluindo obstrução da boca e nariz e o consequente bloqueio da respiração"
Por Anastasia Gubin, La Gran Época
26 de Agosto de 2019 Actualizado: 26 de Agosto de 2019

Uma menina de quatro meses morreu em um apartamento em Liverpool, no Reino Unido, depois que sua mãe sentou em cima dela sem perceber porque estava muito bêbada.

Quando ela percebeu a tragédia, a mulher, Milda Stucinskaite, de origem lituana, correu para a rua gritando “eu deitei em cima do bebê”, revelou a investigação da audiência realizada em 22 de agosto no tribunal forense de Liverpool, de acordo com o Liverpool Echo.

Os serviços de emergência responderam a um chamado na Grosvenor Road, Walton, e descobriram o corpo sem vida da menor Mija Krupaityte em outubro de 2018. Ela estava no sofá. Apesar dos esforços dos paramédicos, a menina foi declarada morta no hospital infantil Alder Hey, uma hora depois.

O pai de Mija, Audrius Krupaitis, e a mãe, estiveram presentes junto com um intérprete durante a audiência na presença do legista principal, Andre Rebello, na qual foi lido que durante o crime eles estavam intoxicados com álcool e haviam fumado maconha.

A mãe da menina apresentava álcool no sangue quatro vezes acima do limite legal de consumo, o que equivale ao nível de extrema intoxicação que leva à inconsciência, informou o Liverpool Echo.

Por outro lado, o pai, que estava desabado em uma poltrona, estava intoxicado com um nível 2,5 vezes acima do limite de dirigir embriagado.

A oficial forense Lisa McElvogue disse que um inquilino que morava no mesmo endereço afirmou que os dois pais estavam bebendo quando ele preparou uma mamadeira de leite para o bebê e a passou para Milda, que começou a alimentá-la, acrescenta o relatório.

O mesmo inquilino juntamente com outra pessoa que também morava na mesma região foram a uma loja para comprar uma pizza e, quando retornaram 45 minutos depois, encontraram Milda deitada sobre o bebê no sofá e cobrindo parcialmente seu corpo. Ele não parecia vivo.

Também indica que o pai estava dormindo em uma poltrona.

O inquilino acordou os pais e tentou dar ao bebê os primeiros socorros cardiorrespiratórios. A mãe desesperada correu para a rua, batendo nas portas e implorando pela ajuda dos vizinhos que também tentaram reviver o bebê.

Dois assistentes de saúde que estavam fazendo visitas próximas também foram ao local para prestar ajuda, mas foi inútil.

A equipe da ambulância chegou e continuou a ressuscitação enquanto Mija era levada para Alder Hey, onde eles escreveram a certidão de óbito.

“A culpa foi minha. Eu adormeci”, disse o pai da bebê, operário de uma fábrica, segundo o Liverpool Echo.

Ambos os pais ajudaram na investigação que começou após a morte da bebê. Eles chegaram a ser presos, mas depois foram liberados.

Durante a audiência, Milda chorou e o pai se recusou a fazer qualquer declaração.

Dr. Jonathan Metcalfe, patologista forense registrado no Ministério do Interior, disse que a bebê parecia saudável e não apresentava lesões suspeitas no corpo. “Sabemos que é possível sufocar um bebê sem deixar nenhum sinal no corpo. A falta de ferimentos físicos confirmam os eventos descritos pelas testemunhas”, informou o jornal Metro.

Metcalfe disse que não era possível descartar completamente a morte súbita ou a síndrome da morte súbita do bebê (SMSL) como causa da morte de Mija, mas tudo indica que foi a mãe que deitou-se sobre ela no sofá a causa da morte.

“Dormir com bebês em sofás é considerado inseguro, pois pode causar a morte de várias maneiras, incluindo obstrução da boca e nariz e o consequente bloqueio da respiração”, concluiu.

O forense Andre Rebello deu o veredito de morte acidental por negligência, disse o Metro.

TE RECOMENDAMOS