EUA anunciam início de ação para garantir livre navegação no Golfo Pérsico

Por EFE
29 de Agosto de 2019
Actualizado: 29 de Agosto de 2019

Washington, 28 ago (EFE)- O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, anunciou nesta quarta-feira o início da Operação Sentinela, que tem como objetivo garantir a segurança da navegação no Golfo Pérsico após uma série de incidentes com o Irã na região.

“Me satisfaz anunciar que a Operação Sentinela está em andamento”, disse Esper em entrevista coletiva realizada no Pentágono.

Reino Unido, Austrália e Bahrein foram confirmados como parceiros dos EUA no início da operação, apesar dos esforços do Departamento de Estado para conseguir mais aliados para missão de patrulhar o Golfo Pérsico, região por onde passa diariamente 30% da produção de petróleo do mundo.

“Esta operação tem dois objetivos: em primeiro lugar, garantir a liberdade de navegação de embarcações comerciais, algo vital para a economia global; e em segundo, dissuadir possíveis provocações e evitar um conflito na região”, explicou o secretário de Defesa.

Os EUA começaram há meses a trabalhar nessa iniciativa devido às crescentes tensões com o Irã, acusado pelo governo americano de estar por trás de uma série de ataques sofridos por navios petroleiros no Golfo de Omã.

Apesar de a região viver um período de aparente calma nos últimos dias e de os dois governos terem expressado desejo de negociar, Esper disse não estar “preparado” para considerar a crise como acabada.

O secretário de Defesa também defendeu a decisão do presidente do país, Donald Trump, de ampliar a presença de tropas americanas na região.

“Evitamos novas provocações. Queremos dialogar com o Irã e encontrar uma saída diplomática. (_) Não queremos um conflito”, ressaltou Esper.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS