EUA dizem que manterão e reforçarão punições à Venezuela

Por efe
20 de Diciembre de 2019
Actualizado: 20 de Diciembre de 2019

Washington, 20 dez – O representante especial dos Estados Unidos para a Venezuela, Elliott Abrams, disse nesta sexta-feira que seu país não apenas manterá, como reforçará as punições contra o governo de Nicolás Maduro para que haja eleições.

“Nós vamos manter e reforçar as sanções. Esperamos que a União Europeia continue com sanções adicionais contra o regime. O regime de Maduro teme eleições livres, então é necessária pressão para que haja eleições livres para tirar a Venezuela da repressão e da pobreza”, disse Abrams em entrevista coletiva do Departamento de Estado.

O representante especial lembrou que no ano que vem haverá eleições para renovar a Assembleia Nacional venezuelana, onde a oposição tem atualmente a maioria e que é liderada por Juan Guaidó, que em 2018 foi proclamado presidente interino do país e reconhecido por mais de 50 países, incluindo os EUA.

O diplomata denunciou que a Assembleia Nacional (NA) está sendo alvo do regime de Maduro para impedir que Guaidó seja reeleito como presidente da instituição e aderiu ao apelo da Alta Comissária das Nações Unidas, Michelle Bachelet, para voltar a uma situação de respeito aos direitos e liberdades e para libertar os detidos.

Em uma reunião do Conselho de Direitos Humanos da ONU na quarta-feira, Bachelet manifestou preocupação porque a Assembleia Nacional Constituinte – um órgão legislativo paralelo controlado pelo governo – suspendeu a imunidade de quatro deputados.

O órgão tomou uma decisão semelhante há meses contra outros parlamentares, elevando o número total de legisladores sem imunidade para 30, vários dos quais estão no exílio.

Na opinião de Abrams, o governo de Maduro usa uma mistura de ameaças, prisões e propina para impedir a reeleição de Juan Guaidó como chefe da NA.

“O segundo passo será tomar o controle da NA, evitando eleições livres em 2020”, advertiu o enviado especial, que enfatizou: “As pesquisas dizem que a oposição vencerá se as eleições forem livres”.

Sobre possíveis negociações entre os dois países, Abrams declarou que o regime venezuelano não está preparado para uma discussão séria sobre as eleições presidenciais e a substituição de Maduro por eleições livres.

Ele acrescentou que atualmente o único contato que os EUA têm com o governo venezuelano é através da missão americana em Nova York. “Além disso, temos formas de enviar mensagens ao regime, mas não há conversas”, salientou.

Desde a sua chegada à Casa Branca, em janeiro de 2017, o presidente dos EUA, Donald Trump, aumentou a pressão sobre Caracas e impôs sanções econômicas a mais de 100 funcionários de alto escalão próximos ao presidente Maduro, incluindo sua esposa, Cilia Flores.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS