EUA e Polônia assinam acordo conjunto sobre cooperação tecnológica 5G

Por BOWEN XIAO
03 de Septiembre de 2019
Actualizado: 03 de Septiembre de 2019

Os Estados Unidos e a Polônia assinaram em dois de setembro um acordo para cooperar com a nova tecnologia 5G, pois as preocupações com a gigante chinesa de telecomunicações Huawei continuam a crescer.

Dias antes da assinatura do acordo, um alto funcionário do governo Trump disse a repórteres durante uma breve entrevista que o acordo estava no “topo” de sua lista de prioridades e observou que era imperativo para a segurança nacional.

“Este é um sinal incrivelmente importante da forte cooperação entre os Estados Unidos e a Polônia contra o que poderá ser uma das mais importantes, acho que vou chamá-la de ameaça nos próximos anos”, disse a autoridade em 31 agosto. O funcionário não identificou especificamente um país ou empresa.

O acordo ocorre em meio a preocupações com a segurança da cadeia de suprimentos, pois existem “vários fornecedores que têm vínculos com governos hostis”, disse o funcionário a repórteres.

“Realmente não é possível contemplar uma rede principal que possa ser protegida, o que é contrário à natureza da rede 5G. E, portanto, ter o tipo de estrutura para a cooperação 5G nos permitirá abordar todas essas questões”, afirmou o funcionário.

O acordo foi assinado pelo vice-presidente Mike Pence e pelo primeiro-ministro polonês Mateusz Morawiecki em Varsóvia. Pence substituiu o presidente Donald Trump, que cancelou sua viagem devido ao furacão Dorian. O furacão está sendo vinculado ao furacão do Dia do Trabalho de 1935 como a tempestade mais forte do Atlântico a atingir terra firme.

Pence também se encontrou com o presidente polonês Andrzej Duda em dois de setembro. O vice-presidente escreveu no Twitter que estava honrado por estar na Polônia, mas acrescentou: “nossos corações estão em casa com as famílias e comunidades no caminho do furacão Dorian”.

O acordo endossa os princípios desenvolvidos por autoridades de segurança cibernética de dezenas de países em uma cúpula em Praga no início deste ano para combater ameaças e garantir a segurança das redes móveis de próxima geração.

“Proteger essas redes de comunicação de última geração contra interrupção ou manipulação e garantir a privacidade e as liberdades individuais dos cidadãos dos Estados Unidos, Polônia e outros países é de vital importância”, afirma o acordo.

Pence disse que o acordo “serviria como um exemplo vital para o resto da Europa”.

Os Estados Unidos e a Huawei, controlada pelo estado chinês, o maior fabricante mundial de equipamentos de infraestrutura de rede, estão no meio de uma batalha global pela segurança da rede. Os Estados Unidos vêm pressionando aliados para proibir a Huawei em redes 5G por temores que o Partido da Comunista Chinês possa fazer com que a Huawei lhe dê acesso a dados para ciberespionagem. A Huawei negou anteriormente essas alegações.

Enquanto os Estados Unidos pediram uma proibição total da Huawei, aliados europeus se recusaram a aceitar a ideia. A Huawei está sendo investigada pelos promotores federais dos Estados Unidos que investigam supostos casos de roubo de tecnologia, de acordo com o The Wall Street Journal, citando fontes não identificadas.

Durante uma visita à Suécia em 29 de agosto, Morawiecki disse que estavam sendo tomadas decisões que levariam a empresa sueca de redes e telecomunicações Ericsson a investir no desenvolvimento de 5G na Polônia.

A Associated Press contribuiu para este relatório.

TE RECOMENDAMOS