EUA monitoram Coreia do Norte quanto a possível lançamento de míssil ‘presente de Natal’

Lançamentos esperados podem envolver testes no mar com um míssil balístico ou um foguete de combustível sólido
Por Bowen Xiao, Epoch Times
23 de Diciembre de 2019
Actualizado: 23 de Diciembre de 2019

Washington está monitorando de perto a Coreia do Norte, a fim de detectar qualquer sinal de possível lançamento de míssil ou teste nuclear, durante ou próximo à temporada de férias de fim de ano, o qual as autoridades norte-coreanas descreveram como um “presente de Natal”.

Os Estados Unidos disseram na semana passada que não aceitarão o prazo até o final do ano, estabelecido unilateralmente pela Coreia do Norte, para fazer concessões em negociações nucleares. No entanto, Stephen Biegun, enviado especial dos EUA para a Coreia do Norte, disse que Washington está aberto a conversações sobre desnuclearização e pediu a Pyongyang que volte para a mesa de negociações.

Enquanto isso, a Coreia do Norte disse em 22 de dezembro que seu líder, Kim Jong-un, teve uma reunião importante com membros do regime para determinar medidas futuras que fortalecerão a capacidade militar do país.

Leia também:
Hackers da Rússia, Irã, China e Coreia do Norte estão por trás dos ataques cibernéticos mais críticos da Espanha

No início deste mês, os norte-coreanos realizaram o que as autoridades americanas dizem ser um teste de motor. A Coreia do Norte o descreveu como “crucial” e os especialistas acreditam que pode ter relação com um motor para um veículo espacial ou um míssil de longo alcance. As autoridades estão preocupadas com o fato de que pode ser o prelúdio para o lançamento de um míssil balístico intercontinental nos próximos dias ou semanas.

“A Coreia do Norte está avançando. Ela está desenvolvendo novas capacidades”, disse à Reuters Anthony Wier, ex-funcionário do Departamento de Estado que acompanha o desarmamento nuclear para o Comitê de Amigos da Legislação Nacional. “Enquanto isso continuar, eles ganharão novos recursos para testar novos mísseis que ameaçam a nós e nossos aliados de novas maneiras”.

No início deste mês, a Coreia do Norte ameaçou os Estados Unidos com um possível “presente de Natal”, dizendo que o governo Trump estava ficando sem tempo para salvar as negociações nucleares. Pyongyang disse que cabe aos Estados Unidos escolher qual presente de Natal receberá do Norte.

Victor Cha, especialista em Coreia do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, disse à Reuters que uma análise de possíveis locais de lançamento na Coreia do Norte mostra que eles estão “basicamente prontos para começar”. Ele disse que os lançamentos esperados podem envolver testes no mar com um míssil balístico ou um foguete de combustível sólido.

O uso de um propulsor sólido permite que a Coreia do Norte abasteça um foguete mais rapidamente, o que significa menos tempo para os Estados Unidos ou outros países se prepararem. Os lançamentos no mar também são mais difíceis de localizar e dariam menos sinais ou tempo para os Estados Unidos reagirem.

O governo Trump não está concedendo à Coreia do Norte as concessões exigidas, disse ao Epoch Times, na semana passada, o consultor sênior de defesa e diretor de estudos estratégicos de dissuasão do Instituto Mitchell de Estudos Aeroespaciais, Peter Huessy.

“Eles são como bandidos ou uma espécie de quadrilha criminosa que extorque as pessoas. Simplesmente não estamos mais jogando o jogo de extorsão”, disse Huessy.

Em 20 de dezembro, Trump disse no Twitter que havia discutido sobre a Coreia do Norte, entre outras questões, com o líder chinês Xi Jinping. O presidente também conversou com o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe em 21 de dezembro sobre eventos relacionados à Coreia do Norte, Irã e comércio, segundo um porta-voz da Casa Branca.

“O presidente Trump e o primeiro-ministro Abe concordaram em continuar com a comunicação e coordenação estreitas, principalmente à luz das recentes declarações ameaçadoras da República Popular Democrática da Coreia”, disse o porta-voz da Casa Branca Judd Deere em comunicado, usando o nome oficial da Coreia do Norte.

A ligação ocorreu depois que a Coreia do Norte disse que os Estados Unidos estavam tentando prolongar as negociações de desnuclearização antes das eleições presidenciais dos EUA no próximo ano. No início de dezembro, o próprio Trump alertou Kim para não interferir nas eleições presidenciais de 2020 nos Estados Unidos.

“Ele não quer destruir seu relacionamento especial com o presidente dos Estados Unidos ou interferir nas eleições presidenciais dos EUA em novembro”, disse Trump no Twitter, referindo-se a Kim. “A Coreia do Norte, sob a liderança de Kim Jong Un, tem um enorme potencial econômico, mas deve ser desnuclearizada conforme prometido. A OTAN, China, Rússia, Japão e o mundo inteiro estão unidos nesta questão!”

Com informações da Associated Press

Siga Bowen no Twitter: @BowenXiao_

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS