EUA negam vistos a funcionários castristas que exploram médicos cubanos em missões no exterior

A exportação de serviços profissionais de saúde, principalmente médicos, é a principal fonte de renda de Cuba
Por ANASTASIA GUBIN
02 de Octubre de 2019
Actualizado: 02 de Octubre de 2019

O Departamento de Estado dos Estados Unidos anunciou na segunda-feira as restrições de visto de funcionários cubanos responsáveis ​​pelas práticas trabalhistas de exploração e coerção em relação aos membros participantes de missões médicas no exterior em Cuba.

“Aproveitar o trabalho dos médicos cubanos é prática de Castro há décadas e continua até hoje”, disse ele em comunicado em 30 de setembro, referindo que tanto Fidel Castro quanto seu irmão Raul promoveram esse sistema que serviu aos interesses da ditadura.

“O regime também reteve passaportes e monitorou alguns médicos fora do trabalho”, acrescentou, e até “forçou alguns médicos cubanos a usar os cuidados médicos como uma ferramenta política, prestando cuidados em troca de promessas de lealdade”.

Os Estados Unidos anunciaram as sanções que restringem o visto de funcionários de acordo com a Lei de Imigração e Nacionalidade em sua Seção 212, a, 3, C e pediram aos governos que fizessem acordos com Cuba e que “eles estão comprometidos com programas médicos Cubanos no exterior para garantir salvaguardas contra abuso e exploração laboral”.

Cerca de 100 médicos cubanos seguem os procedimentos para iniciar seu programa no Quênia em 11 de junho de 2018 em Nairóbi. Os médicos serão enviados para vários hospitais nos 47 municípios do Quênia. Espera-se que cada condado obtenha pelo menos dois médicos. (SIMON MAINA / AFP / Getty Images)
Cerca de 100 médicos cubanos seguem os procedimentos para iniciar seu programa no Quênia em 11 de junho de 2018 em Nairóbi. Os médicos serão enviados para vários hospitais nos 47 municípios do Quênia. Espera-se que cada condado obtenha pelo menos dois médicos (SIMON MAINA / AFP / Getty Images)

As autoridades cubanas forçaram alguns médicos a permanecerem no programa em países estrangeiros, não apenas retendo seus passaportes, mas também “restringindo seus movimentos e usando ‘cuidadores’ para realizar a vigilância de participantes fora do trabalho”, disse o relatório do Departamento de Estado sobre Tráfico de Pessoas publicado em 20 de junho.

Eles também ameaçaram aqueles que decidiram não voltar a Cuba com a revogação de suas licenças médicas, retaliação contra seus parentes na ilha, sanções penais, exílio e separação de famílias.

A médica cubana Ramona Matos Rodríguez é acompanhada por seu advogado, Fabricio Medeiros (à esquerda) e deputados federais Ronaldo Caiado (d) e Mendonça Filho (2-d) no prédio do Ministério do Trabalho, onde chegou para denunciar irregularidades no programa do governo federal “Mais Médicos”, em Brasília, em 10 de fevereiro de 2014 (BETO BARATA / AFP / Getty Images)
A médica cubana Ramona Matos Rodríguez é acompanhada por seu advogado, Fabricio Medeiros (à esquerda) e deputados federais Ronaldo Caiado (d) e Mendonça Filho (2-d) no prédio do Ministério do Trabalho, onde chegou para denunciar irregularidades no programa do governo federal “Mais Médicos”, em Brasília, em 10 de fevereiro de 2014 (BETO BARATA / AFP / Getty Images)

Em 2014, quando a Dra. Ramona Rodríguez abandonou o programa de médicos cubanos contratados no Brasil, ela contou à BBC sobre o aspecto econômico, observando que quando chegou à cidade de Pacajá, onde médicos de outros países também chegaram para fazer o mesmo No trabalho, todos receberam o mesmo salário, cerca de US$ 4200. No entanto, o regime comunista concedia apenas US$ 400 aos cubanos, mais US$ 600 depositados em Cuba.

“A diferença de mais de US$ 3.000 por médico vai para os cofres do Estado cubano, dependendo de um acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS)”, informou a BBC.

“Fiquei com muita raiva”, disse Rodriguez. “Muitos médicos pensam como eu, que isso foi um roubo do nosso dinheiro”, disse ele.

O médico cubano Miguel Pantoja tem um bebê na Unidade Básica de Saúde de Alexania, 80 km a sudoeste de Brasília, estado de Goiás, em 22 de novembro de 2018 (EVARISTO SA / AFP / Getty Images)
O médico cubano Miguel Pantoja segura um bebê na Unidade Básica de Saúde de Alexania, a 80 km a sudoeste de Brasília, estado de Goiás, em 22 de novembro de 2018 (EVARISTO SA / AFP / Getty Images)

Em novembro de 2018, Cuba e Brasil finalizaram o contrato do programa Mais Médicos, que durou 5 anos, depois que o governo brasileiro exigiu que o regime melhorasse o tratamento e as condições de trabalho e respondesse às alegações de intimidação, falta salários e retenção de passaportes.

Cerca de 2.000 médicos preferiram ficar no Brasil e não retornaram à sua terra natal.

“Eles escaparam de uma ditadura pior que a venezuelana, e eu disse durante a campanha, quando estava com alguns cubanos, que eu daria asilo a eles, e agora queremos que eles sejam inseridos na sociedade”, disse o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

“A ditadura cubana separou famílias, esposas, maridos e crianças, isso era covardia, e não vi ninguém aqui dizer que era desumano, não vi o Ministério Público do Trabalho questionando sua questão salarial ou as condições em que eles vieram. aqui ”, criticou o presidente brasileiro.

Em março, dezesseis médicos cubanos que foram entrevistados pelo New York Times e descreveram como as missões médicas de Cuba na Venezuela foram forçadas a participar do sistema de manipulação política.

Os médicos revelaram que receberam ordens de ir “de porta em porta” em bairros pobres, oferecendo medicamentos e avisando aos moradores que estariam cortados o acesso a serviços médicos se não votassem em Maduro ou em seus candidatos.

Outros disseram que seus superiores ordenavam que eles emitissem as mesmas ameaças durante consultas a portas fechadas com pacientes que procuravam tratamento para doenças crônicas.

A exportação de serviços profissionais de saúde, principalmente médicos, é a principal fonte de renda de Cuba, segundo a agência Efe. Desde 1963, ano em que Castro enviou a primeira missão à Argélia, cerca de 407.000 profissionais, técnicos e profissionais de saúde trabalham em 164 países.

Em 2018, os cubanos em missões de saúde totalizaram cerca de 55.000 em 67 países.

***

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS