EUA prometem aumentar comércio com o Brasil, mas ainda não falam em tratado

Por EFE
13 de Septiembre de 2019
Actualizado: 13 de Septiembre de 2019

Washington, 13 set (EFE)- O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, prometeu nesta sexta-feira ao ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, aumentar as trocas comerciais com o Brasil, mas não falou se será fechado um acordo de livre-comércio entre os dois países.

“Todos os esforços do Brasil dão aos EUA uma grande confiança para cooperar de novas formas. Vamos fazer crescer a nossa relação comercial, que já é de mais de US$ 100 bilhões anuais”, declarou Pompeo em pronunciamento conjunto com Araújo no Departamento de Estado.

O secretário americano destacou a aliança entre os governos de Donald Trump e Jair Bolsonaro em economia, segurança e diplomacia com o objetivo de lidar com “a crise na Venezuela e fazer os tiranos de Cuba e Nicarágua retrocederem”, em alusão aos regimes liderados por Miguel Díaz-Canel e Daniel Ortega, respectivamente.

“Juntos estamos aproveitando a oportunidade para edificar um futuro de segurança e de democracias prósperas para nossos povos e o continente americano”, afirmou Pompeo.

Por sua vez, Araújo concordou com Pompeo e ressaltou que Brasil e EUA têm “uma visão comum, uma filosofia comum, que pode ser inclusive mais forte”, e que os dois governos estão tentando “traduzir” essa postura nas relações econômicas, algo que, segundo o chanceler, está avançando de “forma muito rápida” e responde aos desejos dos empresários brasileiros.

Nem Pompeo, nem Araújo responderam perguntas da imprensa e não revelaram qual é o estado das negociações visando um acordo de livre-comércio.

No final de julho, Trump anunciou que queria negociar um pacto comercial com o Brasil e fez vários elogios a Bolsonaro, a quem definiu como “um grande cavalheiro” e com quem disse ter uma “fantástica relação”.

Com a bênção de Trump, Brasil e EUA começaram no final de julho as negociações para fechar um acordo comercial, mas ainda não há detalhes sobre esse diálogo.

Ontem, em entrevista coletiva, Araújo explicou que o futuro desse tratado comercial não está definido e que a pauta no momento é de trocas de bens específicos, como carne e aço, e que “mais tarde” serão definidos os termos de um tratado de livre-comércio que elimine ou reduza de maneira substancial as tarifas.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS