Evo diz que está na Argentina para “continuar lutando pelos mais humildes”

Por efe
12 de Diciembre de 2019
Actualizado: 12 de Diciembre de 2019

Buenos Aires, 12 dez – O ex-presidente da Bolívia Evo Morales disse nesta quinta-feira, após chegar à Argentina, onde deve receber status de refugiado, que se sente “forte e animado” e que está no país para “continuar lutando pelos mais humildes”.

Morales, que deixou a Bolívia em 11 de novembro, pressionado pelas Forças Armadas para deixar a presidência, ficou por quase um mês no México, onde tinha recebido asilo. Depois de passar alguns dias em Cuba, o político e líder cocaleiro desembarcou no aeroporto internacional de Ezeiza, na região metropolitana de Buenos Aires, e não passou pelo terminal de passageiros.

Segundo o novo ministro das Relações Exteriores argentino, Felipe Solá, que o recebeu, Evo foi ao país “para ficar”. Em um programa de televisão, ele anunciou que o ex-presidente boliviano terá status de refugiado.

Pouco depois, o próprio Evo se pronunciou no Twitter.

“Há um mês cheguei ao México, um país irmão que nos salvou a vida, fiquei triste e devastado. Agora cheguei à Argentina para continuar lutando pelos mais humildes e para unir a #PatriaGrande, estou forte e animado. Agradeço ao México e à Argentina por todo o apoio e solidariedade”, escreveu.

Evo foi à Argentina acompanhado por outras quatro pessoas, entre elas o ex-vice-presidente Álvaro García Linera e o ex-chanceler Diego Pary.

Solá explicou que o ex-presidente boliviano ainda não pediu custódia e não se sabe onde será sua residência, o que deve ser especificado no pedido oficial de refúgio.

A chegada de Evo ao país onde seus filhos vivem desde o final de novembro, aconteceu dois dias depois de o peronista Alberto Fernández assumir a presidência da Argentina, sucedendo Mauricio Macri.

Em declarações à rede de televisão “TN”, o vice-chanceler do México para a América Latina, Maximiliano Reyes Zuñiga, disse que, além de aceitar um convite de Fernández, Evo optou por viajar à Argentina “por causa de sua proximidade geográfica” com seu país.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS