Evo Morales se perde por mais de uma hora na Amazônia durante a noite

Por POR EPOCH TIMES
31 de Agosto de 2019 Actualizado: 31 de Agosto de 2019

O presidente boliviano Evo Morales admitiu ter se perdido na quarta-feira à noite quando foi à Amazônia em Santa Cruz, perto de Charagua, na fronteira da Bolívia com o Paraguai.

Em um vídeo de campo, transmitido pela rede de televisão Uno, o presidente é ouvido gritando por socorro: “Onde eles estão? Onde estão!”.

“Tivemos uma pequena aventura ontem à noite”, disse Morales, durante uma entrevista coletiva em Roboré, segundo o jornal boliviano El Debe.

“Perdemos quase uma hora, mas graças aos soldados, conseguimos encontrar o caminho de volta”, disse Morales enquanto visitava a comunidade Dead Horse, que faz parte do município de San Ignacio de Velasco.

O governador de Santa Cruz disse em 24 de agosto que um milhão de hectares foram queimados e as chamas continuam a se espalhar fora de controle, pedindo ajuda internacional e a declaração de um estado de emergência nacional, que Morales recusou.

No fim de semana, uma grande multidão se reuniu na cidade para gritar slogans contra o presidente, acusando-o de destruir as florestas e a Amazônia, legalmente por decreto. Uma legislação de 2001 que foi modificada em julho deste ano por seu governo, estende a limpeza e a queima controlada em Santa Cruz e Beni.

Os bombeiros atravessam um campo queimado em Robore, leste da Bolívia, em 23 de agosto de 2019. Parte da área já foi desmantelada (STR / AFP / Getty Images)
Os bombeiros atravessam um campo queimado em Robore, leste da Bolívia, em 23 de agosto de 2019. Parte da área já foi desmantelada (STR / AFP / Getty Images)

Em 29 de agosto, o governador de Santa Cruz, Rubén Costas, do município de San Ignacio, um dos mais afetados no início dos incêndios, disse que “em 17 de agosto nós declaramos em desastre devido à complexidade da situação a ser enfrentada para que o governo nacional possa agir”.

Atualmente, eles estão operando nos incêndios de nove áreas, das quais as mais críticas são os municípios de Concepción e Charagua. Eles também estão operando em San Miguel, San Rafael e no município de San Ignacio, os mais devastados no final de julho, início de agosto.

“Não é hora de baixar a guarda sabendo que San Rafael, San Miguel e San Ignacio foram as chuvas que ajudaram”, acrescentou.

Os incêndios começaram no final de julho. Em seguida, as autoridades emitiram o alerta laranja e, em 7 de agosto, o alerta vermelho. Foi então que o governo solicitou a suspensão das licenças de queima.

TE RECOMENDAMOS