Flavio Bolsonaro: CPMI das fake news não tem “fato definido”

Senador afirma que comissão poderá não apresentar resultado algum
Por RICARDO ROVERAN, TERÇA LIVRE
12 de Septiembre de 2019 11:00 AM Actualizado: 12 de Septiembre de 2019 11:14 AM

Em entrevista exclusiva concedida na noite de ontem (10/9) ao Terça Livre, o senador Flavio Bolsonaro (PSL) afirmou que a Comissão Parlamenta Mista de Inquérito (CPMI) das fake news não tem “fato definido“.

Hoje houve uma reunião da chamada CPMI das fake news em que ficou deliberado o seguinte, que iam se convocar vários especialistas para que ajudassem os senadores e deputados da comissão a formarem um juízo de valor sobre o que é fake news, ou seja, se sequer o nome ‘CPI das fake news’ é definido, imagina o objeto dessa CPI, é óbvio que não é definido”, disse o senador.

Senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) em 11 de fevereiro de 2019 (Rodrigo Viana/Senado Federal )
Senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) em 11 de fevereiro de 2019 (Rodrigo Viana/Senado Federal )

O senador afirmou também que pela composição da comissão é possível esperar um grande embate entre governo e oposição apenas, mas que corre o risco de ser completamente improdutivo.

Leia também

Pra começar um deputado do PT insinuando que a facada no presidente Jair Bolsonaro é ‘fake’“, afirmou, exemplificando o tipo de provocação infrutífera que um adversário político se prestou a fazer, a título do que esperar de futuro da comissão.

Tem uma máxima na política que diz que todo mundo sabe como começa uma CPI e ninguém sabe como termina“, completou, reforçando que a tendência desta comissão é não apresentar quaisquer resultados.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.