FMI afirma que guerra comercial entre EUA e China está “cobrando seu preço”

Por EFE
08 de Octubre de 2019 4:27 PM Actualizado: 08 de Octubre de 2019 4:27 PM

Washington, 8 out (EFE)- A nova diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, afirmou nesta terça-feira que a guerra comercial entre Estados Unidos e China “está cobrando seu preço” na atividade econômica mundial, em geral, e no setor manufatureiro, em particular.

“Conversamos no passado sobre os perigos das disputas comerciais. Agora, vemos na realidade que está cobrando seu preço”, afirmou Kristalina, durante seu primeiro discurso à frente do FMI.

De fato, a economista búlgara, que sucede no cargo Christine Lagarde, que será a nova presidente do Banco Central Europeu, disse que o crescimento do comércio mundial “parou quase por completo”.

“Em parte devido a tensões comerciais, a atividade manufatureira e os investimentos globais enfraqueceram-se substancialmente. Existe um sério risco de que serviços e consumo possam em breve ser afetados”, alertou.

A diretora do FMI argumentou que as disputas comerciais “agora se estendem por vários países e em outras questões críticas”.

“Por conta das nossas economias interconectadas, muitos mais países sentirão em breve o impacto”, disse.

Além disso, Kristalina Georgieva explicou que as divisões atuais em nível comercial “poderiam levar a mudanças que duram uma geração”, causando quebras nas cadeias de abastecimento ou setores comerciais isolados.

“Todo mundo perde em uma guerra comercial”, lembrou a economista, explicando que o efeito acumulativo dos conflitos comerciais atuais poderia significar uma perda de aproximadamente US$ 700 bilhões para 2020, ou cerca de 0,8% do PIB mundial, um tamanho comparável à economia da Suíça.

Em seu discurso, Kristalina Georgieva também defendeu um sistema de comércio global “mais moderno” para liberar o potencial “de serviços e comércio eletrônico”.

Além da questão das tensões comerciais, a chefe do FMI também apontou o Brexit e questões geopolíticas como fatores da desaceleração da economia global.

“Em 2019, esperamos um crescimento mais lento em quase 90% do mundo. A economia global está agora em desaceleração sincronizada”, advertiu.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.