General Santos Cruz se recusa a citar nomes de membros das ‘milícias virtuais’

Por terça livre
26 de Noviembre de 2019 8:29 PM Actualizado: 26 de Noviembre de 2019 8:29 PM

A maior expectativa em torno do depoimento de Carlos Alberto dos Santos Cruz na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News, nesta terça-feira (26), era a possível relevação de nomes de pessoas que fazem parte ou coordenam as supostas “milícias virtuais”.

No entanto, para a decepção, principalmente dos deputados, Santos Cruz evitou citar nomes. “Eu não tenho nenhuma evidência em mãos, se eu tivesse, entregaria aqui sem nenhum problema”, justificou o ex-ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República.

O general disse que não pode expor pessoas sem provas concretas. Mesmo pressionado por deputados como Natália Bonavides (PT/RN); Rui Falcão (PT/SP) e pelo Senador Humberto Costa, que se disse “frustrado” com a postura de Santos Cruz, o general não deu o braço a torcer. “Esperava que viria mais”, lamentou Humberto Costa.

Santos Cruz disse que talvez o petista tivesse criado uma “super expectativa” sobre sua participação e que, não era por questão de “lealdade” ao presidente que não revelaria os supostos nomes envolvidos nas “milícias virtuais”.

“Não posso pegar uma pessoa e sair [sic] fazendo festa, chutando, muitas vezes quem tem a culpa comprovada. Não é nem ético, é coisa de justiça. É por questão de honestidade”, declarou.

O presidente da CPMI, senador Angelo Coronel (PSD-BA) e a relatora, deputada Lídice da Mata (PSB-BA), chegaram a propor uma reunião sigilosa para que o general se sentisse mais “à vontade” para então expor os nomes de quem considerava miliciano virtual. Ele negou.

Santos Cruz fez ainda sugestões para o trabalho da CPMI. O conselho do general é para que a Comissão contrate empresa para descobrir donos de perfis anônimos na web e depois, entregá-los à Polícia Federal.

Fake news na CPMI das fake news

A relatora Lídice da Mata, alegou que assessor internacional da Presidência, Filipe Martins publicou um tuíte o chamando o general de embusteiro, carreirista e traidor.

A postagem, no entanto, nunca existiu e a afirmação foi desmentida pelo deputado federal Carlos Jordy (PSL/RJ).

Disciplinar nas mídias sociais

Questionado pela deputada Caroline De Toni (PSL/SC) sobre ter defendido que as redes sociais precisam ser disciplinadas, “por conta da atuação nessas redes do que ele chama de grupos radicais”, ele negou que tenha feito a afirmação e que o vídeo de sua entrevista, concedida em Boston no mês de abril, foi editada e distorcida.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.