Governo de AMLO perdoa 50 milhões de pesos em impostos de empresa ligada ao narcotráfico

Por Eduardo Tzompa, Epoch Times
11 de Diciembre de 2019
Actualizado: 11 de Diciembre de 2019

O governo de Andrés Manuel López Obrador perdoou 50 milhões de pesos em imposto de renda de uma empresa farmacêutica ligada ao narcotráfico, depois de descrever como imorais os perdões concedidos a grandes corporações durante os seis anos de Felipe Calderón.

A empresa farmacêutica Collins S.A de C.V. recebeu um estímulo fiscal de 50 milhões de pesos como parte de um programa de pesquisa e desenvolvimento do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia, embora em 2008 o Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC) do Departamento do Tesouro dos Estados United a tenha inserido em sua lista de Traficantes de Entorpecentes Especialmente Designados.

De acordo com o comunicado do Departamento do Tesouro, a Produtos Farmaceuticos Collins, S.A de C.V faz parte de uma rede financeira e de suprimentos da organização criminosa Amezcua, responsável pela distribuição de metanfetamina nos Estados Unidos.

Leia também:
Pedido do México: Trump adia inclusão de cartéis em lista de grupos terroristas

Collins e seis outras empresas foram acusadas de fornecer medicamentos à base de pseudoefedrina à Amezcua Contreras Organization com o objetivo de fabricar metanfetamina.

“Estamos sancionando ainda mais a Organização Amezcua Contreras hoje para degradar e desmantelar sua rede de associados e empresas que produzem metanfetaminas para distribuição nos Estados Unidos e em outros lugares. Aplaudimos as recentes apreensões de remessas ilegais de pseudoefedrina pelas autoridades mexicanas e continuaremos tomando medidas em apoio aos seus esforços para apontar o desvio de materiais precursores de metanfetamina”, disse o então diretor do OFAC, Adam J. Szubin.

De acordo com a lei sobre designação de narcóticos estrangeiros (lei de Kingpin), indivíduos e empresas dos Estados Unidos são proibidos de realizar transações ou negócios que possam favorecer entidades designadas, além de o Departamento do Tesouro ter autoridade para congelar qualquer ativo ou bem sob sua jurisdição.

Esta não é a primeira vez que a empresa farmacêutica Collins obtém um benefício federal. Em 2007, um ano antes de ser nomeada pelo OFAC, recebeu 69 concessões e 52 contratos com o Instituto Mexicano de Seguridade Social (IMSS) e o Instituto de Segurança e Serviços Sociais de Trabalhadores do Estado (ISSSTE) que produziram lucros de até 10 milhões de pesos, informou o jornal El Universal.

Lopéz Obrador, no entanto, criticou seus antecessores em 3 de outubro durante uma coletiva de imprensa no Palácio Nacional, chamando os benefícios concedidos às grandes corporações de “imorais”.

“Imagine – como digo quando informo as pessoas nas praças públicas – uma empresa, um banco famoso, famoso, famoso, uma empresa famosa, famosa, famosa; pois essa empresa que vocês estão imaginando, esse banco que vocês estão imaginando, não pagavam impostos, eles foram perdoados”.

“Então, o que está sendo feito agora, impedindo a continuação desse privilégio fiscal, que é uma grande injustiça.

Como podem cobrar do agricultor, do trabalhador, vocês mesmos que pagam impostos, empresários, pequenos, médios, até grandes, comerciantes, todos, e só uma elite privilegiada, com influência, é tratada de uma maneira especial, são preferidos do regime? Então isso acaba. Portanto, é uma questão legal, é uma questão legal… Imoral, é claro, e ainda mais quando se trata de grandes corporações”.

TE RECOMENDAMOS