Impressões sobre o CPAC Brasil 2019 (Vídeo)

Modesta análise de um observador comum sobre o maior evento conservador do mundo que não vai agradar a isentolândia nesquick
Por Carlos de Freitas, Senso Incomum
16 de Octubre de 2019 11:16 AM Actualizado: 16 de Octubre de 2019 11:16 AM

Aconteceu em São Paulo, nos dias 11 e 12 de outubro, a primeira edição do CPAC (Conservative Political Action Conference) Brasil, o maior evento conservador do mundo. Aqui vão algumas das impressões sobre o evento:

A organização pareceu boa, a retirada dos crachás, rápida. A equipe de suporte prestou todas as informações. Nada de luxo. Grátis só café e água muito bem distribuídos pelo espaço, evitando assim aglomerações de pessoas com sede ou sono, o que pode sempre descambar para olhares aborrecidos ou para a rusga direta.

Gente que só se conhecia virtualmente aproveitou o evento para dar aquele aperto de mão, aquele abraço, convidar para um chope, um jantar ou até para casamento, por que não? A temida milícia bolsolavista-jacobina-deusvult-vou-pra-maracangália não passa de gente comum, muitos, inclusive, sem nenhuma pretensão política.

Um evento desse porte serve, também, para estreitar parcerias e elaborar estratégias de ação legítimas que visem combater o aparato montado há mais de 40 anos, no Brasil, pela esquerda.

O destaque entre os palestrantes (opinião deste que vos escreve) foi a ministra Damares Alves, que fez um discurso firme e emocionante. Apresentou ao público algumas das tramoias da esquerda para embutir suas pautas em projetos de lei que nada lhes diziam respeito. Contou um pouco do seu belíssimo trabalho e da sua trajetória pessoal. Fez todo o auditório (incluindo este que vos escreve) derramar algumas lágrimas.

Para a indignação dos fabricantes de espantalhos, as mulheres foram sucesso absoluto. Ana Paula Henkel, craque do nosso vôlei, deu um show falando sobre como a inclusão de transexuais nas modalidades femininas do esporte está destruindo carreiras promissoras e lacerando a mente de moças que sonham, um dia, competir profissionalmente.

Dom Bertrand, Bene Barbosa, Rafael Nogueira, Taiguara Fernandes, Bernardo Kuster e nosso editor Flávio Morgenstern também marcaram presença. O professor e filósofo Olavo de Carvalho foi muito citado. Esse evento se deve muito a ele.

A única bronca fica para a parte brazuca que não respeitou os horários programados.

Abraham Weintraub fechou o evento falando sobre a liberdade e a importância de se lutar por ela. Fez questão de enfatizar que não se deve desprezar o inimigo que é mais forte do que nós.

Como tudo que gira em torno do governo e dos conservadores, o evento rendeu muita histeria da isentolândia nesquick que achou um absurdo usarem o dinheiro do fundo partidário para tal fim. Taiguara Fernandes desmascarou a sanha vingativa dos rejeitados nessa excelente sequência no Twitter:

O conservadorismo ainda engatinha por aqui, embora cresça a cada dia a procura de livros que abordem o tema: Roger Scruton é sucesso de vendas. Nomes como o de Edmund Burke, Chesterton, Russel Kirk e Michael Oakeshott ganham visibilidade. A ideia de que mais de dois mil e quinhentos anos de história da inteligência humana não deve ser jogada fora por mero capricho ressentido e desejo de poder ganha adeptos e divulgação.

Os valores conservadores são os que construíram e solidificaram a civilização ocidental: a filosofia grega, o direito romano e a moral judaico-cristã. É fundamental que eventos como o CPAC se alastrem por todo o país. Que mais pessoas se juntem e discutam a importância da disseminação de valores que respeitem todos os indivíduos. O CPAC foi um sucesso.

Carlos de Freitas é redator e escritor (embora nunca tenha publicado uma oração coordenada assindética conclusiva). Diretor do núcleo de projetos culturais da Panela Produtora e editor do Senso Incomum. Cutuca as pessoas pelas costas e depois finge que não foi ele. Contraiu malária numa viagem que fez aos Alpes Suiços. Não fuma. Twitter: @CFreitasR

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não representa necessariamente a opinião do Epoch Times

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.