Irmão de Eduardo Campos quer expor à PGR e à Lava Jato o ‘lado obscuro’ da família

Xingado pelo sobrinho, Antônio Campos prometeu petições sobre filho e viúva de Eduardo Campos
Por diário do poder
13 de Diciembre de 2019 4:25 PM Actualizado: 13 de Diciembre de 2019 4:25 PM

Xingado em audiência da Câmara pelo próprio sobrinho e deputado federal João Campos (PSB-PE), o advogado Antônio Campos reagiu ontem (12), afirmando que o filho do falecido ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), foi nutrido “na mamadeira da empresa Odebrecht, entre outras”. E anunciou que o “lado obscuro” da viúva Renata Campos e do jovem deputado ao conhecimento da Procuradoria Geral da República (PGE), da Polícia Federal e da Operação Lava Jato.

Presidente da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), ligada ao Ministério da Educação, Antônio Campos não admitiu ter sido alvo do xingamento gratuito do sobrinho, que o chamou de “sujeito pior” que o ministro Abraham Weintraub, durante reunião da Comissão de Educação da Câmara, na quarta-feira (11).

“O jovem deputado foi nutrido na mamadeira da empresa Odebrecht, entre outras, estando com os bens patrimoniais dos quais é herdeiro bloqueados. Pernambuco precisa conhecer o lado obscuro de Renata Campos e seu filho”, escreveu Antônio Campos, em nota divulgada ontem à imprensa, na qual comunicou a exposição dos fatos às autoridades.

Por iniciar a baixaria que pode levar à Justiça os segredos da família Campos, o jovem deputado pré-candidato a prefeito do Recife (PE) levou um puxão de orelhas público de sua avó, Ana Arraes. A ministra e atual vice-presidente do Tribunal de Contas da União (TCU) se sentiu desrespeitada, e por meio do Blog de Jamildo mandou um duro recado para o neto, em defesa do filho a quem chama de Tonca.

“Não admito grosseria. Você está desrespeitando sua avó. Você está dividindo a família sem razão. Antonio Campos é muito inteligente e trabalhador. Liderança se consegue construindo. O desrespeito fica para quem não tem argumentos. Eu não vou admitir agressões sua contra Tonca. Ele nunca lhe agrediu”, disse Ana Arraes.

‘Sujeito pior’

A confusão iniciou na reunião da Câmara convocada para tratar das acusações do ministro da Educação contra universidades públicas. Na ocasião, o ministro citou Antônio Campos como colaborador do MEC, quando foi provocado por João Campos a explicar o motivo de não ter entregue o planejamento estratégico do MEC, enquanto afirma ser um bom gestor.

“Eu nem relação tenho com ele. Ele é um sujeito pior que você”, reagiu João Campos, sobre o tio que comanda a fundação pública subordinada ao MEC.

Antônio Campos defendeu Weintraub por demonstrar, pela educação pública, firmeza de propósitos e coragem contra interesses menores, corporativistas e patrimonialistas. E sugeriu que o sobrinho deveria estar cobrando da Prefeitura do Recife mais rigor na contratação da merenda e dos kits escolares. “Fazer primeiro o dever de casa em sua terra”, aconselhou.

Campos e a Lava Jato

Há um ano, a Força-tarefa da Lava Jato incluiu em uma ação de improbidade administrativa o espólio de Eduardo Campos, que morreu em campanha presidencial em agosto de 2014. O ex-governador pernambucano e o atual líder do governo no Senado Fernando Bezerra (PSB-PE) foram apontados como beneficiários de propinas das construtoras Queiroz Galvão, OAS e Camargo Corrêa, referentes a contratos da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.

O Ministério Público Federal (MPF) expôs ainda que o avião que sofreu o acidente no qual o ex-governador pernambucano morreu foi comprado “pelo menos em grande medida com dinheiro de propina”.

As investigações relatam que o jato Cessna Citation, 560 XLS, prefixo PR-AFA, foi comprado por R$ 1,71 milhão pelo empresário João Lyra, que seria um operador de Campos no recebimento de propinas pelo ex-governador, pai de João Campos. (Com informações do Blog de Jamildo e do Blog de Magno Martins)

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.