Israel inibe ataque iraniano por iminente “drone assassino” da Síria

Não é a primeira vez que Israel é forçada a se defender das forças apoiadas pelo Irã na Síria, embora raramente confirme ataques aéreos nos territórios sírios em público
Por REUTERS
26 de Agosto de 2019 Actualizado: 26 de Agosto de 2019

JERUSALÉM / DAMASCO (Reuters) – Aeronaves israelenses atingiram, no último sábado, forças iranianas perto de Damasco que planejavam lançar “drones assassinos” em alvos em Israel, disse um porta-voz militar israelense.

“A greve teve como alvo milicianos da Força Quds do Irã e milícias xiitas que estavam se preparando para avançar nos planos de ataque contra Israel em território sírio nos últimos dias”, disseram os militares em um comunicado.

A Força Quds de elite, também conhecida como a Força de Jerusalém ou Al Qods, é o braço ultramarino da Guarda Revolucionária do Irã (IRGC) sob o regime islâmico do aiatolá Khomeini que apoiou atividades terroristas e grupos militantes pró-iranianos na Síria, no Líbano, nos territórios palestinos, no Iraque, no Afeganistão e no golfo Pérsico, de acordo com o Departamento de Estado dos Estados Unidos.

O porta-voz do exército israelense, Jonathan Conricus, disse a repórteres que as forças armadas se preparavam para lançar “drones assassinos” armados com explosivos no norte de Israel.

Ele acrescentou que Israel monitorou a trama por vários meses e na quinta-feira impediu o Irã de fazer uma “tentativa avançada” de executar o plano. Então, o Irã tentou realizar novamente o mesmo ataque no sábado, disse ele.

“Conseguimos frustrar esse ataque com caças”, disse ele, dizendo que o ataque iraniano era “muito iminente”.

“Este foi um plano relevante com recursos significativos que foram planejados por alguns meses”, explicou Conricus. “Não foi algo feito em um nível baixo, mas sim no topo da Força Quds”.

Ele disse que o chefe de gabinete de Israel estava se reunindo com oficiais graduados e as forças estavam em alerta máximo perto da fronteira síria.

No Twitter, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, chamou o ataque dos aviões israelenses de um “grande esforço operacional”.

“O Irã não tem imunidade em nenhum lugar. Nossas forças operam em todos os setores contra a agressão iraniana”, disse ele no Twitter. “Se alguém se levanta para matá-lo, mate-o primeiro”.

A mídia estatal síria disse que as defesas aéreas sírias interceptaram “alvos hostis” sobre Damasco, capital, na noite de sábado.

Testemunhas em Damasco disseram que ouviram e viram explosões no céu.

“A agressão está em curso e as defesas aéreas estão enfrentando alvos hostis e estão derrubando a maioria deles na região sul”, disse a mídia estatal SANA, indicando áreas ao sul de Damasco.

O Exército sírio disse em um comunicado que “a maioria dos mísseis israelenses foi destruída antes de atingir seus alvos”. Conricus, no entanto, disse que o impacto dos ataques israelenses foi “significativo”.

Não é a primeira vez que Israel é forçada a se defender das forças apoiadas pelo Irã na Síria, embora raramente confirme ataques aéreos nos territórios sírios em público.

O Irã e o Hezbollah estão apoiando o partido socialista Baath, do presidente sírio Bashar al-Assad, na guerra civil síria de oito anos. A Rússia, que também está auxiliando Assad, praticamente fez vista grossa para os ataques aéreos israelenses. Netanyahu conversou com o presidente russo, Vladimir Putin, na sexta-feira, informou o gabinete do líder israelense.

Na quinta-feira, Netanyahu sugeriu um possível envolvimento de Israel em uma série de explosões nas últimas semanas que atingiram depósitos de armas e bases pertencentes a grupos paramilitares no Iraque, muitos deles apoiados pelo Irã.

As equipes da Associated Press e do The Epoch Times contribuíram para esta reportagem.

TE RECOMENDAMOS