Johnson diz que há pessoas querendo dividir Reino Unido e pede resistência

Por efe
17 de Diciembre de 2019
Actualizado: 17 de Diciembre de 2019

Londres, 17 dez (EFE).- O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, defendeu nesta terça-feira a necessidade de resistir às tentativas do que ele considera ser uma tentativa de dividir o Reino Unido, depois que a ministra-chefe da Escócia, Nicola Sturgeon, ter antecipado que pedirá a Londres um novo referendo sobre a independência.

“Precisamos resistir às convocações daqueles que dividiriam o Reino Unido. Como Parlamento, devemos, educada e respeitosamente, defender a associação e a união do país”, declarou Johnson em seu primeiro discurso na Câmara dos Comuns após as eleições gerais, nas quais obteve a maioria absoluta.

A líder do Partido Nacionalista Escocês (SNP), que nas últimas eleições ganhou 47 dos 59 lugares reservados à Escócia no Parlamento britânico, adiantou hoje que no final desta semana pedirá formalmente ao Governo de Londres uma nova votação.

Na última sexta-feira, depois de conhecidos os resultados das eleições, Johnson falou com Sturgeon por telefone. Na conversa, sublinhou a sua oposição à realização de uma segunda consulta na Escócia, depois que em 2014 a opção de permanecer no Reino Unido foi a escolhida, com 55% dos votos.

De acordo com um porta-voz de Downing Street, escritório oficial de Johnson, o chefe de governo transmitiu à ministro-chefe escocesa seu “compromisso inabalável de fortalecer a união”.

Diante dos deputados, o chefe de governo disse hoje que está determinado a fazer tudo o que for possível para dialogar com toda a câmara, encontrar um terreno comum e curar as divisões no país.

Johnson argumenta que a consulta de 2014 é vinculativa, enquanto Sturgeon considera que a iminente saída do país da União Europeia alterou as circunstâncias em que o referendo foi realizado.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS