Jovem abusada durante 9 anos pelas FARC rompe silêncio e denuncia recrutamento, abuso e aborto forçado

Durante uma audiência pública no Congresso, a corporação Rosa Blanca entregou uma lista de 25 comandantes das FARC responsáveis por crimes sexuais, recrutamento e abortos ilegais
Por Anastasia Gubin - La Gran Época
02 de Septiembre de 2019 Actualizado: 02 de Septiembre de 2019

Yuddy Tobar, porta-voz da Corporação Rosa Blanca da Colômbia, uma organização composta por vítimas de estupro cometido por membros das guerrilhas das FARC, revelou sua história de como foi abusada pelo ex-comandante “Jerónimo” por mais de nove anos.

“Fui abusada por Jerônimo, comandante da frente, e ele abusava de mim duas, três vezes por dia, independentemente da hora ou de como eu estava”, disse Yuddy no programa Testigo Directo em 29 de agosto.

Ela conta que era mimada em sua casa até que um dia eles a procuraram e a forçaram a deixá-la. Desde então, ela se tornou “a marionete, a escrava sexual de um comandante”.

Lembrar de tudo o que aconteceu “é muito difícil”, afirma, já que a guerra que ela compartilhou com as FARC “levou embora todos os seus sonhos”.

“Quando o ato sexual terminava, ele sempre me fotografava, me batia com força”, acrescenta.

“Foi um abuso extremo e eu era só uma garota. Ele foi um homem que me machucou muito.

Garotas abusadas como Yuddy formaram a corporação Rosa Blanca para expor sua dor e buscar justiça para condenar os culpados.

Sua tragédia pessoal começou em 30 de maio de 2005, quando os guerrilheiros chegaram à sua procura no município de Herra, ao sul de Colima, para lhe dizer que ele tinha que partir e que era namorada de um dos soldados.

“Se eu não fosse, eles iam me matar”, disse ela.

No programa Testigo Directo, Yuddy narra que passou seus melhores anos com um homem de 50 a 60 anos sem querer. “É uma coisa horrível. Não desejamos isso a ninguém”.

“Não podíamos dizer nada porque seria traição e isso era motivo para fuzilamento”, diz a porta-voz, cujo testemunho se soma ao de 1.200 vítimas que quebraram o silêncio como ela.

Lembrando de sua vida com Jerónimo e o acampamento das FARC, ela conta que todas as meninas que chegavam à guerrilha tinham que ser estupradas por ele. “Essa era as boas vindas da guerrilha”.

Depois começavam os abusos pelos bandos médios e até os soldados menores quando pediram permissão e lhes eram autorizadas as violações.

“Aquilo era um ninho de sífilis e gonorreia”, disse Yuddy, dizendo que os membros das FARC passavam por frequentes tratamentos médicos por causa das doenças sexualmente transmissíveis.

Guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias Marxistas da Colômbia (FARC) em 7 de fevereiro de 2001 em San Vicente (LUIS ACOSTA / AFP / Getty Images)
Guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias Marxistas da Colômbia (FARC) em 7 de fevereiro de 2001 em San Vicente (LUIS ACOSTA / AFP / Getty Images)

Arquímedes Muñoz Villamil, também conhecido como “Jerónimo Galeano”, era o “líder principal do chamado Comando Conjunto Central das FARC”, considerado o principal apoio à segurança do comandante guerrilheiro “Alfonso Cano”. Ele foi morto em 22 de março de 2011, na Operação Marzo, de acordo com um relatório do Ministério da Defesa.

Durante uma audiência pública no Congresso, a corporação Rosa Blanca entregou uma lista de 25 comandantes das FARC responsáveis por crimes sexuais, recrutamento e abortos ilegais.

Não apenas meninas, também os meninos e adolescentes foram vítimas de abuso. Ela explica que o abuso sexual nas guerrilhas das FARC sempre foi uma questão “muito ilusória” e, mais ainda, nos casos de homens estuprados. “Na corporação, tivemos vários casos”.

A então presidente da corporação, Lorena Murcia, mencionou o principal líder do novo partido das FARC, Rodrigo Londoño Timochenko, com acusações de recrutamento forçado, aborto e estupro, segundo o relatório do La Fm.

Ela também identificou entre os abusadores os membros das FARC que ingressaram no Senado colombiano como parte do acordo do ex-presidente Juan Manuel Santos com os guerrilheiros, nomeando Pablo Catatumbo, Victoria Sandino, Carlos Antonio Lozada e líderes como o pastor Alape, Alias Romaña, El Paisa, entre outros, bem como o comandante abatido Raúl Reyes.

Guerrilheiro das FARC Rodrigo Londono Echeverri, conhecido como “Timochenko” (de) e o ex-presidente colombiano Juan Manuel Santos conversam no município de Mesetas, Colômbia, em 27 de junho de 2017 (RAUL ARBOLEDA / AFP / Getty Images)
Guerrilheiro das FARC Rodrigo Londono Echeverri, conhecido como “Timochenko” (de) e o ex-presidente colombiano Juan Manuel Santos conversam no município de Mesetas, Colômbia, em 27 de junho de 2017 (RAUL ARBOLEDA / AFP / Getty Images)

Rodrigo Londoño respondeu naquela data que “isso não era crime, era algo completamente normal. Estávamos dentro da estrutura de nossos padrões e, portanto, agimos.”

Yuddy lamenta que durante o processo de Santos e das FARC, contra o qual a maioria do povo, por voto, se expressou contrário, tenha sido preparada uma “justiça apenas para eles”, em referência aos guerrilheiros.

“Existe total impunidade, um silêncio terrível, eles nos deixaram de lado, o centro do processo de paz eram as vítimas e nós, as reais vítimas, fomos silenciados, querem nos silenciar e nos oferecem dinheiro para nos calar”.

A jovem alerta que, depois de obter liberdade, as ameaças à sua vida persistem.

“Eles mataram uma garota por engano pensando que era eu”, disse ela, que também recebeu caixas contendo sapos mortos. Ela denunciou que eles estão ameaçando não apenas as mulheres, mas também a vida dos filhos dos denunciantes.

TE RECOMENDAMOS