Líder de torcida de Ohio é absolvida em assassinato de bebê recém-nascido que ela enterrou no quintal

Por  JACK PHILLIPS
14 de Septiembre de 2019
Actualizado: 14 de Septiembre de 2019

Brooke Skylar Richardson, a líder de torcida de Ohio acusada de matar seu bebê recém-nascido antes de enterrar a menina no quintal de seus pais, foi absolvida por acusações de assassinato na quinta-feira, 12 de setembro conforme informado.

O júri do condado de Warren deliberou por aproximadamente quatro horas antes de tomar uma decisão sobre o destino de Richardson, informou o WLWT.

Ela enfrentou homicídio qualificado, homicídio involuntário e acusações de abuso infantil. Ela foi considerada culpada de abusar de um cadáver.

A sentença pela acusação de abuso de cadáver estava marcada para sexta-feira.

Brooke Skylar Richardson, acusada de matar e enterrar sua filha recém-nascida, chega para uma conferência agendada com o tribunal no Líbano, Ohio, em 14 de dezembro de 2017. (Nick Graham / The Journal-News via AP)
Brooke Skylar Richardson, acusada de matar e enterrar sua filha recém-nascida, chega para uma conferência agendada com o tribunal no Líbano, Ohio, em 14 de dezembro de 2017 (Nick Graham / The Journal-News via AP)

Fotos postadas pela estação local WCPO mostraram que ela estava chorando quando o veredicto foi proferido.

Enquanto esperava seu veredicto, Richardson, que agora tem 20 anos, tremia.

“Nós te amamos muito”, disse a mãe, segundo a revista People. “Nós amamos você, bebê.”

O procurador do condado de Warren, David Fornshell, declarou que acredita que Richardson teve um julgamento justo, acrescentando que “a defesa de ambos os lados foi muito bem-feita”, segundo o relatório.

Os promotores alegaram que Richardson nunca pretendeu ficar com o bebê antes de matá-la e enterrar a criança na propriedade de sua família em Carlisle.

Os advogados de defesa disseram que a criança era natimorta, citando o histórico de saúde de Richardson. Eles argumentaram que suas reações à gravidez e ao parto foram sinais de terror, não de malícia.

Brooke Skylar Richardson in court
Brooke Skylar Richardson faz sua primeira aparição no tribunal municipal de Franklin, em Franklin, Ohio, em 21 de julho de 2017 (FOX19 NOW / Michael Buckingham via AP)

Peritos médicos para a acusação e defesa disseram que não há provas de que o bebê tenha nascido vivo, informou o WLWT.

Na semana passada, o promotor assistente do Condado de Warren, Steven Knippen, disse ao júri que Richardson fez uma busca on-line de “como se livrar de um bebê” enquanto estava grávida.

Ela também enviou uma mensagem de texto para a mãe sobre a barriga após o parto. “Estou literalmente sem palavras com o quão feliz estou minha barriga está de volta OMG”, Richardson supostamente enviou uma mensagem de texto, referindo-se à perda de peso.

Durante uma entrevista com a polícia, Richardson disse-lhes que não retornou os telefonemas do médico porque estava com medo.

“Eu realmente não queria ter meu bebê”, disse ela à polícia. “Eu realmente não sabia o que eu ia fazer.”

O vídeo da entrevista foi reproduzido no tribunal.

O advogado de defesa Charlie Rittgers, no entanto, disse que Richardson “certamente não sabia que estava grávida” quando foi ao médico.

“Ela reagiu com total surpresa e choque genuinamente”, disse Rittgers. “Ela reagiu como qualquer jovem de 18 anos que soube pela primeira vez que estaria grávida. Se ela tivesse esse motivo sinistro para esconder e ocultar o fato de que ela ia matar uma criança, ela não teria reagido assim. Não pode ser dos dois lados.

Richardson agora pode pegar até um ano de prisão por acusação de abuso de cadáver, segundo a People.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS