Limpos, bem falantes e sem tatuagens: agente do ICE revela nova aparência do MS-13

Estima-se que existam cerca de 10 mil membros nos Estados Unidos e dezenas de milhares espalhados pelo resto do mundo, principalmente em El Salvador
30 de Noviembre de 2019
Actualizado: 30 de Noviembre de 2019

Por Eduardo Tzompa, Epoch Times

A quadrilha MS-13, também conhecida como Mara Salvatrucha, mudou a aparência de seus membros. Para evitar serem facilmente identificados pela polícia eles não usam mais tatuagens, de acordo com as informações fornecidas por um oficial do ICE ao Washington Examiner.

O novo aspecto dos criminosos é o de pessoas limpas e bem falantes, sem tinta em seus corpos. “A ideia de ter tatuagens da cabeça aos pés, isso não acontece mais”, disse o funcionário, que decidiu permanecer anônimo por segurança, e explicou que a mudança visa dificultar a identificação de membros da quadrilha por funcionários federais e locais.

Nesse sentido, o agente deu o exemplo de como, em 2017, alguns membros da quadrilha se infiltraram em uma caravana de migrantes da América Central com destino aos Estados Unidos e, ao passarem pelo México, as autoridades locais não conseguiram diferenciá-los entre a multidão, e os agentes da patrulha de fronteira também não puderam detectar se os criminosos haviam sido presos na fronteira.

Leia também:
Crimes entre venezuelanos que migraram para o Peru geram reações de xenofobia

A gangue MS-13 foi fundada há quatro décadas por migrantes salvadorenhos na cidade de Los Angeles e mantém operações em diferentes cidades dos Estados Unidos como Houston, Las Vegas, Oakland, Baltimore e Nova Iorque. Sabe-se que os membros costumam fazer tatuagens depois de serem promovidos dentro da gangue. Quanto mais tatuagens um membro da gangue tiver, maior será seu poder, no entanto, o oficial do ICE explicou que agora a promoção e a iniciação dentro da gangue são realizadas através de sessões de espancamento realizadas por membros de patente mais elevada.

Ex-membro da gangue salvadorenha MS-13 (OSCAR RIVERA / AFP via Getty Images)
Ex-membro da gangue salvadorenha MS-13 (OSCAR RIVERA / AFP via Getty Images)

“Toda vez que você sobe de posto, eles espancam você durante 13 segundos”, disse o agente. Os quatro postos existentes são “parada”, “observação”, “checagem” e “homeboy”.

Agora que os espancamentos fazem parte do processo de iniciação e promoção, as tatuagens não são mais feitas em membros promissores, porque elas também podem ser identificadas por outras quadrilhas que controlam o fluxo de drogas e o recrutamento em determinadas áreas da cidade.

No final de 2019, estima-se que existam cerca de 10 mil membros nos Estados Unidos e dezenas de milhares espalhados pelo resto do mundo, principalmente em El Salvador.

Em 2012, o Departamento do Tesouro classificou o MS-13 como quadrilha criminosa transnacional e em 2017 ele também se tornou uma prioridade da Força-Tarefa Contra o Crime Organizado do Departamento de Justiça, informou o site do ICE.

Segundo o órgão, o crime número um pratico por eles é o tráfico de narcóticos, mas eles também diversificaram suas atividades através de roubos, sequestros, assassinatos, tráfico de armas e pessoas, incluindo prostituição de menores e adultos escravizados ou extorquidos. O ICE considera a quadrilha MS-13 uma ameaça para as comunidades dos Estados Unidos e dos países do Triângulo Norte de onde elas vêm (Guatemala, Honduras e El Salvador), devido aos altos índices de violência.

TE RECOMENDAMOS