Mamãe golfinho “adota” filhote baleia-cabeça-de-melão e o cria como se fosse parte da família (vídeo)

Por MICHAEL WING
27 de Agosto de 2019 Actualizado: 27 de Agosto de 2019

Muito raramente os animais selvagens adotam filhotes de espécies diferentes, embora não seja tão incomum que animais domesticados o façam ou que os animais adotem filhotes de sua própria espécie.

O primeiro caso de um golfinho-nariz-de-garrafa que adotou um filhote baleia-cabeça-de-melão foi documentado nas águas costeiras da Polinésia Francesa, no Pacífico Sul, e é sublime de se ver.

Pesquisadores filmaram e fotografaram a mãe, com seu bico esbelto, e seu bebê adotivo de um mês, com seu bico contundente, juntos ao longo de vários anos a partir de 2009.

The apparent adoption, unusual in and of itself, was made all the more striking by the fact that the bottlenose already had a biological baby; typically, dolphin mothers only care for one calf at a time.

تم النشر بواسطة ‏‎Smithsonian Magazine‎‏ في الأربعاء، ٣١ يوليو ٢٠١٩

 

A baleia-cabeça-de-melão, ao contrário do que o nome sugere, não é de fato uma baleia, mas um tipo de golfinho – embora seja uma espécie e gênero completamente diferentes do golfinho-nariz-de-garrafa, tornando o par uma união única.

“Ficamos realmente empolgados por ter a oportunidade de testemunhar um fenômeno tão raro”, disse Pamela Carzon, pesquisadora chefe do Groupe d’Étude des Mammifères Marins de Polynésie, com sede em Tiputa.

“Na época, estávamos realmente muito surpresos.”

This is the first known case of a wild bottlenose mom adopting a calf of another species. The melon-headed whale calf even gained acceptance into the community by acting like a bottlenose dolphin.

تم النشر بواسطة ‏‎National Geographic‎‏ في الثلاثاء، ٣٠ يوليو ٢٠١٩

 

Entre uma comunidade de cerca de 30 golfinhos, a mãe chamou a atenção dos pesquisadores porque ela tinha dois filhotes – as mães de golfinhos normalmente cuidam apenas de um bebê de cada vez – uma era sua filha biológica e o outro o baleia-cabeça-de-melão.

Notavelmente, o filhote baleia-cabeça-de-melão parecia ainda mais ligado à mãe do que a própria filha. O par foi visto muitas vezes nadando juntos. Por duas vezes ele foi observado cuidando dela e, em um período de rivalidade entre irmãos, ele foi visto ciumentamente empurrando sua irmã para longe do abdômen da mãe.

Além disso, o filhote cabeça-de-melão ficou com a mãe muito tempo depois que a irmã a deixou com um ano e meio de idade. As mães golfinhos-nariz-de-garrafa cuiam de seus filhotes por até seis anos, informou a National Geographic. O filhote finalmente a deixou por volta de abril de 2018.

O vínculo invulgarmente longo da dupla também ressalta o investimento da mãe em uma espécie diferente da dela.

“Nos mamíferos, a síntese de leite é muito cara – é um recurso muito precioso”, disse Kirsty MacLeod, ecologista comportamental da Universidade de Lund, na Suécia.

Quanto ao motivo pelo qual a mãe escolheu adotar esse filhote em particular, só se pode especular; embora seja possível que o nascimento de sua filha biológica tenha desencadeado o instinto materno, que serviu como catalisador.

“Provavelmente, foi apenas um momento perfeito para esse filhote aparecer e [a mãe] estava em um período muito receptivo para formar esses laços com seus próprios filhos”, disse MacLeod, via National Geographic, “e isso levou a esta situação um pouco maluca.

Também foi relatado que essa mãe golfinha exibia características particularmente amigáveis ​​em relação aos mergulhadores locais, e essas características podem ter deslocado as agressões típicas que os golfinhos-nariz-de-garrafa têm em relação aos filhotes de outros animais.

Além disso, o filhote cabeça-de-melão teve pouca dificuldade em encaixar-se no casulo dos golfinhos, e isso pode ter ajudado a facilitar o vínculo mãe-prole. Às vezes, o baleia-cabeça-de-melão era visto brincando com outros jovens e exibindo um comportamento muito semelhante ao dos colegas nariz-de-garrafa. Ele até fez as mesmas atividades de lazer que eles, surfando e pulando nas ondas.

“Isso mostra que os golfinhos jovens têm uma impressionante flexibilidade comportamental”, disse Carzon.

Quanto a outros mamíferos selvagens que adotam órfãos jovens de espécies diferentes, há apenas um outro caso cientificamente documentado que foi relatado. Em 2006, a primatologista Patricia Izar, da Universidade de São Paulo, observou um grupo de capuchinhos que cuidavam de um sagui.

“Na época, estávamos realmente muito surpresos”, dissera Izar.

TE RECOMENDAMOS