México: apreensão de 23 toneladas de fentanil chinês capaz de matar 92% da população mundial

Por ILEANA ALESCIO
28 de Agosto de 2019 Actualizado: 28 de Agosto de 2019

A Marinha do México informou, em 23 de agosto, a apreensão de aproximadamente 23.368 quilos de fentanil da China no porto de Lázaro Cárdenas, Michoacán.

A carga ilegal foi descoberta durante uma inspeção de rotina de um contêiner em um navio dinamarquês. O navio havia declarado que carregava cloreto de cálcio, mas, ao examinar as amostras em laboratório, foi determinado que era realmente o fentanil, um opioide 50 a 100 vezes mais potente que a morfina.

A Marinha mexicana informou que a carga vinha de Xangai, na China, e se dirigia para Culiacán, Sinaloa. Ele também esclareceu que a quantidade apreendida ainda é aproximada, uma vez que alguns pacotes foram detectados no contêiner que não continha fentanil em sua totalidade, e que ele atualizará a informação logo após a confirmação da quantidade apreendida.

Sacos de heroína, alguns com fentanil, são exibidos em uma coletiva de imprensa, no escritório do Procurador Geral de Nova Iorque, em Nova Iorque, em 23 de setembro de 2016 (Drew Angererer / Imagens da Getty)

O fentanil é um opioide analgésico sintético semelhante à morfina, mas muito mais potente e 50 vezes mais potente que a heroína, de acordo com Drugabuse.gov,  devido à sua alta potência, o fentanil aumenta muito o risco de levar a uma overdose fatal. Enquanto a dose fatal de morfina é de 200 mg, apenas 2 mg de fentanil podem causar a morte, de acordo com a DEA.

Se for confirmado que a carga apreendida no México é de cerca de 23 toneladas, isso seria suficiente para matar 7.000 milhões de pessoas, ou cerca de 92% da população mundial.

Fentanil chinês

Os especialistas concordam que a maior parte do fentanil clandestino que chega aos Estados Unidos é fabricado na China, razão pela qual alguns de seus nomes de rua incluem “menina chinesa” e “China branca”.

As forças de segurança canadenses e norte-americanas informaram que, desde 2013, “a maioria dos opiáceos e precursores sintéticos não vêm de uma única fonte clandestina, mas do que poderiam ser muitos fabricantes e fornecedores semi-legítimos, a maioria dos quais está na China”.

O DEA informou que os laboratórios de cartéis do México têm uma longa história de importação de precursores da China para o preparo de metanfetamina ilícita. Mas nos últimos cinco anos, fornecedores farmacêuticos semi-legítimos se concentraram em enviar 90% de fentanil puro aos traficantes de drogas dos Estados Unidos “através do sistema postal internacional e de empresas de transporte expresso privado, como FedEx e DHL, além de cargueiros.”

Depois que os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos relataram cerca de 28.000 mortes por opioides em 2017, a maioria delas devido ao fentanil, o presidente dos Estados Unidos, Donaldo Trump, e o presidente chinês, Xi Jinping, negociaram um acordo em dezembro de 2018, durante a cúpula do G20 na Argentina, em que “a China promulgaria políticas para penalizar a fabricação e exportação do fentanil”.

O regime havia prometido, desde 1º de maio, incluir análogos do fentanil – drogas com uma composição química ligeiramente diferente, mas viciante e potencialmente fatal – em uma lista de narcóticos sujeitos ao controle estatal. Mas muitos legisladores, autoridades e especialistas nos Estados Unidos são céticos quanto à disposição e capacidade de Pequim de fazer essas mudanças.

Na última batalha da guerra comercial, em 23 de agosto, Trump ordenou que as empresas norte-americanas deixassem a China e ordenou que a FedEx, a Amazon, a UPS e o Serviço Postal dos Estados Unidos “procurem e rejeitem todas as remessas de fentanil da China”, e acusou Xi de não cumprir sua promessa de interromper o fluxo de fentanil para os Estados Unidos.

TE RECOMENDAMOS