México e EUA se reunirão para fortalecer cooperação na luta contra tráfico de armas

Segundo um estudo do USD, estima-se que entre 2010 e 2012 mais de 750 mil armas foram compradas nos Estados Unidos para serem levadas ao sul da fronteira
05 de Diciembre de 2019
Actualizado: 05 de Diciembre de 2019

Por Eduardo Tzompa, Epoch Times

Esta semana, o advogado americano William Barr se reunirá com representantes do governo do México com o objetivo de fortalecer a cooperação de ambos os países nas ações para impedir o tráfico ilegal de armas, drogas e a introdução de dólares, segundo fontes oficiais.

“O governo do México reitera seu compromisso e vontade de cooperar com o governo dos EUA para melhorar e fortalecer a segurança de ambos os países, com base em uma relação de respeito mútuo e soberania”, afirmou em comunicado o governo do México.

Durante uma coletiva de imprensa, o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador disse que os dois países devem cooperar para evitar a entrada de drogas e armas através dos 3.180 quilômetros de fronteira entre o México e os Estados Unidos.

Leia também:
Evo Morales é vaiado durante palestra em universidade mexicana

Por sua vez, Luis Cresencio Sandoval González, secretário de Defesa Nacional do México, anunciou que até 3 de dezembro a Secretaria encarregada destruiu cerca de 19.317 armas apreendidas nos estados de Tamaulipas, Cidade do México, Sonora, Jalisco, Michoacán, Baja California, Guerrero, Guanajuato, Sinaloa e Chihuahua, que representam 71% das armas ilegais inseridas no país.

Além disso, ele explicou que os cartéis de drogas “são os que realizam operações de tráfico de armas para se abastecer de armas exclusivas das forças armadas e de munições”.

Fuzileiros navais mexicanos escoltam cinco suspeitos de tráfico de drogas do cartel Los Zeta em frente a um lançador de foguetes RPG-7, granadas de mão, armas de fogo, cocaína e uniformes militares apreendidos de suspeitos membros do cartel de drogas e apresentados à imprensa em 9 de junho de 2011 na Secretaria da Marinha na Cidade do México (YURI CORTEZ / AFP via Getty Images)
Fuzileiros navais mexicanos escoltam cinco suspeitos de tráfico de drogas do cartel Los Zeta em frente a um lançador de foguetes RPG-7, granadas de mão, armas de fogo, cocaína e uniformes militares apreendidos de suspeitos membros do cartel de drogas e apresentados à imprensa em 9 de junho de 2011 na Secretaria da Marinha na Cidade do México (YURI CORTEZ / AFP via Getty Images)

Sandoval Gonzales disse que “70% das armas seguradas no México são provenientes dos Estados Unidos e 30% são fabricadas na Espanha, Itália, Áustria e outros países”.

“Das que vêm dos Estados Unidos, 41% são do Texas, 19% da Califórnia, 15% do Arizona e 25% do restante dos estados da União Americana”, disse Sandoval González.

Everard Meade, diretor do Instituto Transfronteiriço da Universidade de San Diego (USD), explicou ao Los Angeles Times que muitas armas são compradas em lojas nos Estados Unidos por indivíduos que apresentam falsas justificativas e depois atravessam a fronteira em veículos particulares.

Segundo um estudo do USD, estima-se que entre 2010 e 2012 mais de 750 mil armas foram compradas nos Estados Unidos para serem levadas ao sul da fronteira.

TE RECOMENDAMOS